quinta-feira, 27 de junho de 2024

A única forma de acabar com a corrupção


Tem algumas pessoas que alimentam a singela ilusão de que é possível resolver problemas estruturais na sociedade sem provocar mudanças profundas no sistema. Desculpa a sinceridade, mas não há soluções simples para problemas complexos. Não é possível combater a corrupção de forma efetiva enquanto o capitalismo existir. Os moralistas enchem a boca para falar que corrupção se resolve com cadeia para os culpados e privatizações. Mas a verdade é que isso não passa de simplismo. O sistema capitalista nos torna individualistas e egoístas. O capitalismo é uma selva onde é cada um por si, vivendo para si e tentando obter o máximo de vantagens para si. A ética no capitalismo é um conto de fadas burguês para manter as pessoas alienadas e conformadas. Daí que falam muito da tal "reforma política" para acabar com a corrupção. Mas isso não é nada além de um paliativo disfarçado de panaceia. Por mais que as leis sejam duras e o sistema político funcione de forma transparente com os investimentos públicos, sempre haverá meios de burlar a fiscalização e corromper a justiça. Isso porque é o dinheiro quem manda no capitalismo.

Só existe um jeito real de combater a corrupção. E esse único jeito é fazer uma deslavagem cerebral nas pessoas através de um novo modo de produção inclusivo, coletivista e onde o dinheiro como nós conhecemos não exista. Enquanto a gente enxergar os outros como “eles” ao invés de “nós”, nunca nos livraremos da corrupção sistêmica. Vale lembrar que a corrupção não ocorre apenas entre políticos e burgueses. A corrupção faz parte dessa cultura de egoísmo e lucro fomentada pelo capitalismo. Então se você quer realmente acabar com a corrupção, não há outra saída. Temos que superar o capitalismo.

sexta-feira, 14 de junho de 2024

Um mundo terrível para ser mulher


Não era nenhum exagero quando as feministas do século passado alegavam que as mulheres eram violentadas todos os dias por um estado burguês patriarcal que tratava as pessoas do sexo feminino como meros pedaços de carne a serviço dos homens. Estamos no século XXI e, em mais de meio século, praticamente nada mudou. Homens (brancos, em sua maioria) continuam no topo da cadeia alimentar e fazem de tudo para manter as mulheres longe do real poder e com o mínimo de direitos possíveis. Todas as elites (econômica, política, militar, religiosa e intelectual) são formadas majoritariamente por homens que continuam a legislar sobre as mulheres e a querer mantê-las sobre seu controle. Essas elites castram as mulheres, cerceiam as mulheres, culpam as mulheres, exploram as mulheres e as punem por crimes que o próprio Estado machista inventa. Esse PL 1904/04 idealizado por um macho opressor qualquer de um partido reaça qualquer é uma prova disso. 

Além de todo sistema de opressão que sempre existiu contra as mulheres desde a criação da propriedade privada, agora querem punir uma mulher que aborta como se ela fosse uma assassina. Isso é uma forma categórica de dizer que a vida de um feto vale mais que a vida de uma mulher. Afinal, se homem engravidasse, teríamos micaretas abortistas e até um dia nacional do aborto seguro. Mas como estamos falando de mulheres – e mulheres pobres e pretas em sua maioria – então há a necessidade de mostrar que os dogmas das antigas religiões patriarcais é que prevalecem sobre o que uma mulher pode ou não fazer com o próprio corpo. Enquanto isso, homem que não assume o filho (o que equivale ao "aborto" masculino), acaba saindo impune; homem que estupra uma mulher, se for branco e rico, também sai impune; homem que cria leis para controlar os corpos das mulheres, além de visto como herói, sai impune do mesmo jeito.

Essa desumanização do ser feminino é algo que precisa ser destruído. Até quando vamos viver em um mundo tão perverso e cruel contra as mulheres? É por isso que se existir um sexo forte, com certeza esse é o sexo feminino. Porque viver num mundo cão misógino como o nosso exige muita força, muita coragem e muita luta. Como já dizia um falecido companheiro de guerra: "A única luta que se perde é aquela que se abandona". E ainda bem que a maioria das nossas manas jamais irá recuar um milímetro sequer nessa batalha.

quarta-feira, 5 de junho de 2024

PEC das Praias é um delírio psíquico


Essa ideia idiota de privatizar as áreas costeiras da União proposta pelos Bolsonaros (PEC 3/2022) foi uma das coisas mais estúpidas que já ouvi. A proposta delirante se resume em tirar do Estado (e do povo) algo que por lei sempre foi dele para entregar para um punhado de espertalhões. O que essa cambada quer é parar de pagar tributos para a União (cobrança de foro, taxa de ocupação e laudêmio) e, de quebra, lucrar com isso fazendo especulação mobiliária. A lógica da privatização é sempre a mesma: compre a preço de banana algo que não tem preço e ainda fature o máximo possível com isso. Daí que quem toma no caneco é sempre o povo. Não somente o povo terá acesso restrito a algumas praias, mas o próprio meio ambiente irá sofrer as consequências, já que não há uma legislação sobre o que pode ou não se fazer nas áreas recém privatizadas.

As pessoas precisam acordar e entender que privatização não existe para "aumentar a arrecadação de impostos" e "melhorar os investimentos púbicos" como os defensores desse delírio privatista dizem. É justamente o contrário: é só mais uma maneira eufemística de roubar o povo e prejudicá-lo ainda mais. Se duvida, o que VOCÊ tem a ganhar com isso?

quinta-feira, 30 de maio de 2024

Cyberpunk 2077 renasceu das cinzas


Pois é... As postagens deste bloguinho têm sido publicadas quase com a mesma frequência das visitas do Cometa Halley. Essa minha baixa frequência de postagens nos últimos meses se deve a um conjunto de fatores. Além das minhas atividades rotineiras que já me tomam bastante tempo, tenho dedicado tempo extra também para estudar, treinar, fazer plano de negócios e, adivinhe só: jogar Cyberpunk 2077. Já escrevi várias postagens falando mal das condições que o jogo estava, mas após voltar a jogá-lo neste mês, fiquei positivamente surpreso. 

Estou com mais de 85 horas jogadas e posso afirmar que as atuais análises positivas que o game tem recebido na Steam foram justíssimas. Cyberpunk 2077 é, em 2024, praticamente outro jogo. O game está muito mais completo, otimizado e com pouquíssimos bugs. Mesmo o meu PCzinho da Xuxa aqui o roda tranquilamente em configurações intermediárias e na minha primeira gameplay só tive dois bugs, nenhum deles atrapalhou a jogatina. 

Sejamos justos, Cyberpunk 2077 é um jogaço. A história é boa, a ambientação é maravilhosa, a jogabilidade é fácil, os gráficos são lindos, o cuidado com os detalhes é espantoso e a gameplay te prende do início ao fim. Se o jogo tivesse saído assim no lançamento, seria GOTY com toda certeza. Tenho que parabenizar a CD Projekt Red pelo trabalho de ter concertado o game, porém, espero que não lancem mais games quebrados daqui pra frente. Enfim, gostei tanto do game que já estou pensando em comprar a expansão Phantom Liberty. Minha primeira gameplay foi com o V masculino nômade dando ênfase em ataques corpo a corpo. Já minha gameplay atual é com a V feminina corporativa netrunner num nível mais difícil e há inúmeras diferenças na gameplay. O fator replay do jogo é fantástico, porque existem muitas possibilidades de escolhas e formas de se completar os "trampos", sem falar dos múltiplos finais.

Que os haters do game me perdoem, mas Cyberpunk 2077 deu a volta por cima.

quarta-feira, 8 de maio de 2024

Bolsonarismo moderado? Que tristeza! kkkkkkk


A vida às vezes parece um filme de comédia cheio de piadas ruins que nos faz rir de nervoso à toa. Há alguns dias, um jornalista qualquer de um jornal burguês qualquer veio com um papinho de cerca-lourenço para tentar viabilizar a volta da direita neoliberal ao poder. Como os partidos de direita tradicional perdem eleições para o PT desde 2002 e o bolsonarismo é radical demais até para nossa burguesia escravocrata, a piada de mau gosto da vez foi defender um tal de "bolsonarismo moderado". Isso me soou tão tragicômico e surreal quanto defender um "nazismo moderado" ou ter os seus pecados perdoados por um demônio. Bolsonarismo moderado não existe. O bolsonarismo é resultado da antipolítica, da despolitização das massas e da falácia de "soluções fáceis para problemas complexos". Não há como existir um bolsonarismo democrático e humanizado. Daí que citaram nessa conversa exemplos como Tarcísio de Freitas e Romeu Zema como exemplos desse bolsonarismo brando. Quem conhece a carreira política de Zema e Tarcísio sabe que eles flertaram com o Bolsonarismo por puro oportunismo político. O máximo que eles podem fazer é um governo neoliberaloide com pseudo discurso fascistoide para entreter a massa reacionária. Mas será que é disso mesmo que o Brasil precisa? É óbvio ululante que NÃO.