terça-feira, 19 de junho de 2018

No Brasil, focinho porco é tomada


Eu nem queria comentar sobre o bizarro e lamentável vídeo em que um bando de marmanjos boçais assediam uma mulher russa, fazendo-a repetir palavrões contra ela mesma numa língua que ela desconhece. Mas devido à grande repercussão negativa do fato, o que me resta dizer é que os homens brasileiros continuam causando vergonha alheia internacionalmente. Além de vivermos num país arrasado por um Golpe de Estado, terrivelmente desigual e com uma classe média alienada e mal-educada, ainda temos que exportar machismo no seu estado mais cru para o exterior. Além de xingarmos uma presidenta da república num estádio para o mundo todo ver, além de sermos estatisticamente um dos piores países do mundo para ser menina e além da brutalidade com que tratamos as nossas próprias mulheres, ainda temos que fazer questão de mostrar a nossa imbecilidade e misoginia para o resto do mundo inteiro ver os ogros que somos. Quando os gringos nos acham perigosos e mal-educados, eles realmente estão certos, porque neste nosso país, focinho de porco é tomada.

Em nome de todos os homens decentes e que abominam atitudes machistas, deixo meus humildes pedidos de desculpas à mulher russa por essa estupidez disfarçada de brincadeira a que ela foi submetida. Quanto às mulheres brasileiras, que sofrem coisas bem piores que isso, além de desculpas, peço também que nunca abaixem a cabeça diante dessas monstruosidades. Afinal de contas, liberdade não se ganha: liberdade se conquista. É preciso coragem, é preciso luta, é preciso união entre as mulheres. Já aos homens, peço que revejam suas atitudes machistas e mudem, porque jamais passaremos de moleques enquanto continuarmos com essas atitudes babacas e sexistas. Respeitem todas as mulheres, rapazes, porque só assim vocês serão verdadeiramente Homens.

segunda-feira, 18 de junho de 2018

Por que não monto uma banda?


Algumas pessoas ocasionalmente me perguntam por que eu não monto uma banda de rock, já que eu escrevo músicas e toco vários instrumentos. Eu não formo uma banda porque não tenho tempo, nem dinheiro, nem disposição e nem músicos para tocar junto comigo. Meus amigos e ex-colegas que já tiveram uma banda ou que tocam algum instrumento hoje estão casados, têm filhos, possuem emprego fixo, montaram um negócio, passaram em concurso público, fizeram carreira militar e abandonaram as ilusões de viver de música. Ninguém está disposto a trocar a segurança de uma vida estável para cair na estrada e sair tocando por aí. Até eu mesmo já caí na real e sei muito bem as dificuldades que os músicos brasileiros enfrentam, especialmente os músicos iniciantes. Tocar por hobby talvez até seja possível, mas o problema de tocar por diversão é que ninguém se compromete com os ensaios e apresentações. Daí que não vale a pena, pelo menos no momento, ter uma banda. O projeto que eu tenho de música hoje é voltado para a web. Talvez eu crie uma banda virtual ou produza música comercial para tentar faturar alguma coisa em cima disso. Mas ter uma banda, de fato, acho bem pouco provável. Com a pluralidade e a democracia que a internet trouxe, acho que essa coisa de ter uma banda de sucesso ficou meio démodé. Tudo hoje é muito fragmentado. Acho que vou produzir minhas próprias músicas sozinho e criar videoclipes no YouTube para divulgá-las. Com as facilidades que temos hoje em dia, ter uma banda de uma pessoa só tornou-se totalmente possível. Os tempos mudaram e acho que precisamos nos adaptar a isso.

domingo, 17 de junho de 2018

Para não dizer que não falei da Copa


Essa Copa de 2018 está até interessante do ponto de vista dos resultados. Todas as grandes seleções têm sofrido em suas estreias contra seleções intermediárias, o que mostra um equilíbrio muito grande entre os níveis das equipes. Isso significa que podemos finalmente ter uma zebra nesta Copa. Já o jogo do Brasil eu não tive saco para assistir, apenas escutei a partida pelo rádio enquanto jogava meus jogos favoritos da Steam. Pelo que ouvi, foi um jogo bem chato. E quando teve o gol, quase ninguém pelas redondezas comemorou, gritou ou soltou fogos como era o de costume. Parece que a apatia pela Copa e pela seleção foram gerais. Os únicos jogos até agora que me fizeram parar o que estava fazendo só para assisti-los foram entre Portugal e Espanha, e entre México e Alemanha. Aliás, que bela partida fez o México. Se passar pela primeira fase, o Brasil terá ou Alemanha, ou México, ou Suécia pela frente. Não quero fazer apostas, mas não acho que a seleção da CBF tenha grandes chances contra qualquer uma dessas três favoritas do grupo F. Enfim, isso pouco importa, porque eu estou pouco me lixando para quem vai ganhar ou não esta Copa. O que gosto mesmo é de ver futebol bem jogado independentemente das equipes que estejam em campo. E que vença a melhor.

sábado, 16 de junho de 2018

Se aqui fosse a Grécia...


No post passado, eu deixei claro que não leio mais nada sobre política vindo da imprensa tradicional, mas desta vez tive que abrir uma exceção. O fato foi que saiu na mídia mainstream que o deputado grego de extrema-direita Konstantinos Barbarousis foi expulso de seu partido (também de extrema-direita) e preso após pedir por um golpe militar e pela prisão de líderes do país. Enquanto aqui no Brasil é permitido que deputados elogiem torturadores, admitam crimes publicamente e façam discurso de ódio impunemente, na Grécia as coisas funcionam de maneira mais civilizada e democrática. E depois vêm uns ufanistas tresloucados me insultar por eu chamar o nosso país de Bananil. Fala sério.

sexta-feira, 15 de junho de 2018

Temos a imprensa mais podre e cínica do mundo


Até alguns meses atrás, eu tinha o hábito de ler o que a imprensa mainstream publicava como forma de ter um contraponto à minha visão de mundo, especialmente se tratando de política. Mas chega um momento que não dá mais para ler o que os paus mandados do sistema financeiro escrevem. É muita cara de pau, cinismo e desonestidade intelectual nesses jornais e revistas da mídia hegemônica. O país enfrenta uma crise sem precedentes depois de um Golpe que colocou uma quadrilha no poder e a nossa imprensa tenta maquiar ao máximo a situação do país para parecer que está tudo bem. Isso quando não tentam dar um jeitinho de colocar a culpa da atual crise no PT.
É por isso que eu não leio mais nada vindo na imprensa oligárquica. Só leio agora a mídia underground, também conhecida por "mídia suja". É através dessa imprensa alternativa que passo a ter uma visão menos deturpada da realidade. Páginas como 247, Cafezinho, Tijolaço, Jornal GGN, DCM, TVT, Pragmatismo Político, Carta Capital, Carta Maior, Vermelho.org e Brasil de Fato são as únicas mídias que uso para me informar sobre política, economia e sociedade. Se depender de mim, a grande mídia corporativa vai à falência, porque meu boicote agora é total. Esse é o preço que eles pagam por serem salafrários, mentirosos e antidemocráticos.