sexta-feira, 26 de maio de 2017

Faroeste Caboclo versão Joesley Safadão


Já ouvi muitas paródias interessantes das canções da Legião Urbana, mas a recente versão do Joesley Batista ficou realmente sensacional por descrever toda a epopeia homérica do cabeça da JBS. E como hoje estou com o tempo diminuto, essa paródia caiu como uma luva para essa sexta-feira não passar em branco neste blog.

Segue a versão do Joesley abaixo:


quinta-feira, 25 de maio de 2017

O mundo encantado da direita brasileira


Como hoje eu estou bastante ocupado e sem tempo para postar algo mais elaborado, resolvi deixar alguns memes de Facebook para fazermos uma reflexão a respeito das loucuras que são defendidas pela direita brasileira.

Abra a sua mente e reflita junto comigo sobre as imagens a seguir:










Coisas que você precisa ler:
-Cherry Picking: 10 casos da falácia mais usada na internet.  
-Os reais fatores da crise brasileira
-10 argumentos usados pelos conservadores que na verdade são espantalhos
-A falácia da liberdade econômica da Heritage Foundation

quarta-feira, 24 de maio de 2017

Quem disse que não existe partido de direita no Brasil?


Certo dia, enquanto estava na sala de espera de um consultório médico, resolvi dar uma lidinha rápida nas páginas de uma revista obscena chamada VEJA que estava bem do meu lado. Ao folhear esta revista imoral, me deparei com uma coluna (ou algo parecido com isso) que afirmava com todas as letras que não existe partido de direita no Brasil. Eu não sei que país é este que a VEJA chama de "Brasil", mas com certeza não é o mesmo Brasil que eu vivo. É verdade que não temos siglas assumidamente de direita. Porém, partidos que representam os interesses da direita existem e não são poucos. Ao contrário do que os nossos ingênuos pobres de direita pensam, siglas não significam absolutamente nada. Veja o exemplo do PSDB: Partido da Social Democracia Brasileira. Será que o PSDB é mesmo social democrata? Até onde eu saiba, o PSDB é neoliberal – e neoliberalismo é, ao contrário do que os analfabetos políticos pensam, de direita. O DEM e o PPS também são partidos que flertam fortemente com as políticas de arrocho da alta burguesia. Isso sem falar em partidos menores, como o PSC, o PRTB e NOVO, que são descaradamente de direita.

Se alguém duvida que o Brasil tenha partidos de direita, basta olhar como cada partido votou nas principais reformas do governo golpista. Os que votaram a favor das reformas ultra liberais podem ser de qualquer coisa, menos de esquerda.

Espectro político pela visão da direita neoliberal

Enfim, afirmar que não há partidos de direita no Brasil é um atestado de ignorância, de insanidade ou de desonestidade. E isso vale, inclusive, para homens como o próprio Lula, que falou uma das maiores besteiras da sua vida ao negar a existência da direita partidária no país. A direita existe. Ela apenas anda disfarçada para capturar melhor o voto dos incautos.

terça-feira, 23 de maio de 2017

A esquerda é o lado mais difícil


Não é e nunca foi fácil ser de esquerda na América do Sul, especialmente no Brasil. A esquerda sempre foi perseguida, execrada, caluniada, demonizada, marginalizada e estigmatizada nas terras tupiniquins. Portanto, ser de esquerda é estar constantemente remando contra a maré, contra o vento, contra o status quo e contra as forças conservadoras inflexíveis diante da mudança do zeitgeist (espírito do tempo). Ser de esquerda é estar do lado dos mais fracos, dos oprimidos, dos perseguidos, dos esfomeados e dos que mais trabalham e menos ganham em troca. Ser de esquerda é não contar com grandes financiamentos, é escrever em blogs paupérrimos, é desafiar aqueles barões que controlam o sistema através do dinheiro. Ser de esquerda é ser atacado diariamente na web, recebendo comentários ofensivos, ameaças e calúnias de gente sem o menor senso de empatia ou de respeito. Ser de esquerda é ser minoria numa internet dominada pelo pensamento elitista e individualista que são uma herança cultural nefasta dos quase 400 anos de escravidão. Ser de esquerda é desafiar a casa grande, é desafiar latifundiários, é desafiar grandes monopólios, é dasafiar os grandes bancos privados e as grandes igrejas que controlam a nossa política. Ser de esquerda é, acima de tudo, ter coragem, ter empatia e ter determinação para lutar contra as injustiças e desigualdades tratadas como "naturais" e "inevitáveis" por uma sociedade egocêntrica, avarenta e doente.

Enfim, a esquerda é sempre o lado mais difícil. Aqueles que optam por lutar por uma sociedade mais justa precisam estar cientes de que estão numa luta desleal de um pequeno Davi contra um Golias muito maior.

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Não há futuro para você


Ouvindo as canções do Sex Pistols, senti como se a Inglaterra dos anos 70 fosse o Brasil de 2017. Aquele clima de desesperança, de recessão, de crise e de caos social que originou o punk britânico traduz exatamente como percebo o Brasil de hoje. Golpearam a Dilma, agora pretendem golpear o Temer e eleger através do voto indireto algum lacaio que continue governando em prol do sistema financeiro. Os trabalhadores, os pobres, os estudantes, os idosos e as crianças estão com o futuro sob a ameaça dos interesses elitistas que sempre controlaram o país.

Vejo muitos defendendo as eleições diretas como solução, mas não vejo qualquer esperança nessa possibilidade. Primeiro que eleições diretas só através de uma PEC, já que após a metade do mandato presidencial, as eleições são indiretas segundo a constituição federal. E esse congresso corrupto e vendido não tem nenhum bom motivo para aprovar tal PEC. Além disso, precisaríamos de eleições gerais para mudar tudo e de um novo calendário eleitoral, porque estaríamos antecipando as eleições de 2018.

Se Temer ficar, o Brasil fica parado. Se Temer cair e houver eleições indiretas, a destruição do Brasil segue a todo vapor. Se houver eleições diretas, dependendo de quem vença essas eleições, teremos outro golpe se o resultado desagradar às oligarquias. Enfim, estamos numa sinuca de bico onde a plutocracia sempre vence. E pelo andar da carruagem, o Brasil chegará totalmente destroçado em 2019, de forma que nenhum presidente será capaz de reverter essa loucura do pós-golpe.

Lamento informar, mas não temos mais futuro. O Brasil acabou.