sábado, 6 de agosto de 2011

Paranormalidade: verdade ou mito?


O ser humano é uma criatura naturalmente influenciável. Duvida? Faça o teste. Chegue no meio de uma rua movimentada, pare e aponte para o céu alegando estar vendo algo incomum. Se você tentar convencer as pessoas de que há mesmo algo incomum no céu (mesmo sem haver nada), é certo de alguns incautos cairão facilmente na sua falácia. Lembro-me de ter visto uma situação similar numa pegadinha do Eu vi na TV (abaixo).


Isso mostra o quanto o ser humano pode ser facilmente enganado e manipulado por pessoas de má fé.
Essa argumentação exemplifica que o mesmo pode ocorrer com relação a outras situações. Uma dessas situações é quando alguém tenta se passar por paranormal. Nenhum fenômeno dito paranormal conseguiu, até hoje, se mostrar consistente. O que vemos foram fraudes, truques, ilusões, enganos e fenômenos naturais serem confundidos com coisas sobrenaturais. Fenômenos como a bilocação, projeção astral, doppelgänger, psicocinese, telepatia, precognição e clarividência são comprovadamente divagações da mente humana. Nunca houve um desses fenômenos que não tenha sido explicado pela ciência. Muitos desses intitulados 'fenômenos paranormais' são fraudes, outros são causados por má interpretação de fenômenos comuns e outros são meros delírios psíquicos.
Clarividência
Psicocinese
Projeção astral


Existem muitos supostos paranormais que foram desmascarados, como o israelense Uri Geller, que usava truques para entortar garfos; e os brasileiros Urandir Oliveira (que dizia fazer contato com ETs) e Thomas Green Morton (o homem do rá). Nunca até hoje houve um só paranormal que tenha passado pelos testes para comprovar os seus 'poderes'.
Uri Geller

Urandir Oliveira
Thomas Green Morton

O mágico canadense James Randi lançou um desafio de dar 1 milhão de dólares para quem provar que possui poderes paranormais ou sobrenaturais. Só que até hoje ninguém sequer chegou perto de levar essa bolada. Além do padre Quevedo e do psicólogo Wellington Zangari, que já desmascararam muitos dos supostos fenômenos paranormais.
O mágico James Randi

Há muitas coisas que não foram explicadas, mas isso não quer dizer que elas sejam inexplicáveis. Com o progresso da ciência, muitos dos antigos mistérios foram desvendados e nunca houve nada que não tivesse uma explicação baseada nas leis da natureza. Há muitos mistérios na vida e eles não a tornam sobrenatural. As pirâmides do Egito, por exemplo, são misteriosas, mas isso não as torna sobrenaturais.
Todas evidências apontam que a paranormalidade deve ser estudada com cautela para evitar erros. Não há provas de que a paranormalidade exista, mas também não há provas que ela não exista.

2 comentários:

  1. O problema é que o ser humano é ávido por novidades, coisas que tornem sua vida banal mais empolgante, menos trivial e mais cheia de mistérios que a façam ter algum sentido. Muitos ficaram absolutamente frustrados e decepcionados quando descobriram que o Urandir, que passava na Band, era uma fraude, que não havia nada de novo debaixo do Sol. Aí vem a mãe Dinah, imagem que chora, mel que escorre do olho da santa, aparição de ETs etc. Como pode, Wellington, em pleno século XXI, as pessoas se conhecerem e perguntarem, pra saber se podem ter um bom relacionamento, qual o signo do outro? Astrologia numa época dessa? Como pode alguns programas vespertinos chamarem "videntes" ou "sensitivas" pra dizer como será o ano vindouro? Só de imaginar, eu fico com vergonha das risadas que gerações vindouras darão da nossa, assim como hoje rimos dos rituais egípcios e das crenças nos deuses dos índios tupiniquins. Há poucos anos, a Prefeitura do Rio gastava dinheiro nosso contratando uma espécie de pajé pra ele não deixar chover durante o réveillon carioca. Em que mundo estamos??? É o mesmo do qual alguns habitantes chegaram e foram até a Lua? É o mesmo que me permite falar em tempo real com qualquer pessoa no mundo com um simples aparelhinho na mão? É o mesmo capaz de curar quase todas as doenças e fazer transplante de coração? Mas que raiva que eu tenho da ignorância alheia! E sempre surge algum merda pra dizer: "ah, mas tem que ter alguma força superior, senão a vida não teria sentido". E quem disse que a vida precisa ter sentido? Pergunta isso pra uma onça ou pra uma bactéria da pneumonia: simplesmente vivem, por mero instinto genético (simplificação)!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Francisco.
      É por aí mesmo como você disse. Na semana que vem, eu devo comprar o livro O Mundo Assombrado Pelos Demônios de Carl Sagan que trata justamente desse assunto. Infelizmente, as crendices ainda são muito fortes na nossa cultura e as pessoas estão muito propensas a acreditar em estórias extraordinárias. Por isso eu acho tão importante divulgar o pensamento cético.
      Abraço.

      Excluir