domingo, 22 de junho de 2014

Feminismo versus igualitarismo


Apesar da minha simpatia pelo feminismo, descobri recentemente que eu não sou feminista: sou igualitarista. E não, isso não é uma contradição ou uma redundância. Apesar desses termos serem sinônimos, eles não são a mesma coisa. Explico melhor a seguir.

Não podemos falar de igualdade sem compreender as nossas diferenças

Feminismo ou igualitarimo?
Igualitarismo é isso
Sim, eu sou pró-feminismo, ou seja: sou a favor da luta das mulheres por igualdade e respeito. Porém, as feministas tendem sempre a serem parciais e a defendem apenas as mulheres e os direitos das mulheres. O feminismo, como acabei percebendo, é um movimento de mulheres e para mulheres. É uma luta importante? Sim! O feminismo luta contra a misoginia, contra o machismo e contra as diferenças de gênero – mas apenas para atender aos interesses femininos. Isso tanto é verdade que as próprias feministas criaram termos como "male tears" e "iuzomismo" para mostrar que elas não estão nem aí para defender os direitos dos homens e nem nada que beneficie apenas os homens – como a igualdade de tempo de contribuição para a aposentadoria e o fim da conscrição, por exemplo. Apesar de eu ser um simpatizante do feminismo, o que me impede de ser um "feministo", como eu disse, é que o feminismo é protagonizado e construído apenas por mulheres para atender aos interesses delas. Como eu defendo algo mais amplo, ou seja, uma igualdade geral para todos os seres humanos (e não só para as mulheres), então eu sou um igualitarista. O igualitarismo é um hiperônimo do feminismo, pois o engloba, e também acolhe todos os outros movimentos de igualdade, incluindo até mesmo aqueles que querem uma igualdade realmente imparcial entre homens e mulheres.

Está bem estereotipado, mas tem um quê de verdade

O monopólio das virtudes
O feminismo, infelizmente, tende a criar uma visão maniqueísta e cissexista onde os homens – e tão somente os homens – são opressores e as mulheres são sempre as vítimas. Daí que o movimento feminista é "o bem" e todo resto que se opõe a ele é "o mal", detendo, assim, o monopólio das virtudes e da igualdade de gêneros. Se você não concorda com o feminismo, então você só pode ser machista por se opor à igualdade idealizada e monopolizada pelo feminismo. Ser a favor da igualdade de gênero não torna alguém obrigatoriamente feminista – exatamente porque o conceito de igualdade não é necessariamente o mesmo entre feministas, igualitaristas e masculinistas. Eu sempre me questiono que igualdade é essa que as feministas defendem que sempre joga os trabalhos mais perigosos para os homens, que desdenha o fato de que somente os homens são obrigados a lutar nas guerras, que acha que se aposentar mais cedo não é privilégio e que ridiculariza o sofrimento masculino alegando ser male tears. E para piorar, se alguma feminista quiser lutar por privilégios e alguém tentar contestá-la por isso, então esse alguém será automaticamente rotulado de machista/opressor. Não há um juiz, senão as próprias feministas, para determinar onde termina a igualdade e onde começa o privilégio. A igualdade é algo que precisa ser debatido por toda a sociedade, e não apenas pelas feministas. Do contrário, ou teremos uma ditadura feminista, ou as reivindicações delas não serão atendidas por desprezarem as opiniões do resto do mundo.

E eu que achava que só os homens machistas eram controladores...

A falácia da falsa simetria
É comum ver por aí mulheres refutando qualquer objeção ao movimento feminista alegando que é machismo, iuzomismo e toda aquela extensa lista de "argumentos anti-antifeminismo". Ultimamente, uma expressão nova apareceu nesta lista e ela se chama falsa simetria. A falsa simetria realmente existe e ela nada mais é que você partir do falso pressuposto de que há condições iguais onde elas não existem para condenar alguém que luta por igualdade. Um exemplo de falsa simetria é quando alguém critica os idosos por eles terem uma fila preferencial nos bancos. O idoso precisa de uma fila preferencial porque ele não tem mais o vigor e a saúde de alguém mais jovem – e querer chamá-lo de "relaxado" por isso é injusto, porque não há condições iguais entre os mais jovens e os idosos. Portanto, é uma falsa simetria criticar um idoso por ele ter uma fila especial. E o que o feminismo tem a ver com isso? Basta criticar a objetificação masculina, por exemplo, que elas já vem dizer que os homens são muito menos objetificados que as mulheres, logo a crítica não é válida por ela se tratar de uma "falsa simetria". Ou seja: só as mulheres podem criticar a objetificação, detendo o monopólio da discussão e criando um monólogo sobre o tema. Isso ocorre também quando um homem critica a Lei Maria da Penha, porque ela não protege os homens (oh, iuzomismo!) que apanham e são mutilados por suas mulheres. Uma feminista acha que tem direito de fazer apologia à violência de gênero cantando "Vou cortar sua pica", mas fica horrorizada quando escuta "Um tapinha não dói", alegando ser violência contra a mulher. E se ela é criticada, aí vem a conversa da falsa simetria, dizendo que mulheres apanham muito mais, que homens são opressores, que mulheres nunca atacam, só se defendem e etc. Se todos são iguais perante a lei, então deleta essa conversa de falsa simetria, porque ela é sexista e injusta.

O quê? Vai me dizer que você não sabia disso?

A moral da história é que o feminismo acabou virando uma espécie de 'escudo ideológico' para que verdadeiras falsas simetrias (travestidas de politicamente correto) sejam criadas para beneficiar apenas um gênero.
Como conclusão, eu afirmo que o feminismo não está errado, o problema é que ele é tendencioso e não é abrangente o suficiente para representar uma igualdade mais ampla e imparcial. Não acho que os homens devem protagonizar o feminismo para não interferir na identidade do próprio movimento. Por essa razão, acho que se os homens quiserem ter seus anseios atendidos e dialogar por uma igualdade mais justa, que evitem ficar importunando as feministas para tal e procurem se engajar em outra ideologia, como o igualitarismo. O igualitarismo, ao contrário do feminismo, também está preocupado com o sexismo que prejudica os homens. Porém, se optar pelo igualitaristmo, se prepare para ser favorável à igualdade entre todos os seres humanos – e não apenas entre homens e mulheres.

25 comentários:

  1. pow mano nois foi tudo traido pelo feminismo.. eu tava querendo fazer da parada tb, mais elas não me deram voz... tipo '''vc eh homen sai daki pq vc quer protagonismo e pa'''
    elas me trata feito cachorro....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você é otário. Quem vai dar ouvido para um homem feminista.

      Excluir
    2. ñ existe homem feminista seu fdp do caralho . o feminismo é protagonizado por mulheres e eu queria protagonismo e fui excluído da parada

      Excluir
    3. O feminismo luta pelos direitos das mulheres, ponto. Seria mesmo de se admirar que elas aceitassem protagonismo por parte dos homens. O problema disso é que essa mentalidade acaba criando uma visão separatista e até mesmo cissexista. Mas isso aí é problema para elas resolverem. Por isso eu sou igualitarista, porque ninguém pode me excluir do movimento por eu ser homem, hétero ou livre pensador. Qualquer pessoa pode ser igualitarista e protagonizar o movimento.

      Excluir
    4. Velho... Esse texto foi incrível, um otimo resumão de alguns de meus pebsamebtos ideológicos... Virou citação pra quando alguem pergunta se eu sou "feminista"

      Excluir
  2. A ironia impregnada na música When Broken Is Easily Fixed retrata a frustração de um amor que transfigurou-se em vapor e logo depois desapareceu nos elementos aleatórios do ar. O autor usou a ironia muito pragmaticamente, mas não poupou criatividade nem emoção na hora de fazê-lo.

    ResponderExcluir
  3. um dos textos mais desonestos que já li a respeito do tema. incrível como o autor manipula informações para convencer pessoas que sabem tão pouco (ou até menos) do que ele a respeito do feminismo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sabe de nada, inocente! :p

      Eu morro de rir com essas críticas rasas, vazias e sem conteúdo de alguns comentaristas anônimos. Essas ilações sem foco e sem referência são típicas de quem não tem argumentos.
      Não gostou? Então desce a letra.

      Excluir
    2. É triste, mesmo. Pessoal não querer ajudar, tudo bem... mas daí a atrapalhar. É triste.

      Excluir
  4. Esse artigo não merece só palmas, merece o Tocantins inteiro, o Brasil inteiro, o mundo inteiro. Sou mulher e não há nada que me enoje mais do que o feminismo contemporâneo e sua "superioridade moral".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O feminismo existe para acabar com o sofrimento feminino causado pelo sexismo. O igualitarismo, sim, visa a real igualdade entre todos os seres humanos. Por isso eu acho muito tendencioso (e ingênuo) que algumas feministas queiram misturar essas duas coisas, distorcendo assim os verdadeiros anseios de uma classe que luta há décadas pelo direito de serem felizes e livres. Já essa tal superioridade moral do feminismo é um problema comum a todas as minorias que ganharam voz - não condeno o movimento por isso, mas acho que essa atitude é passível de autocríticas e de reflexões.

      Obrigado por contemplar este blog com a sua participação.
      Namastê!

      Excluir
  5. Feminismo foi destruido por um monte de crianças que começaram a usar a palavra machismo para justificar qualquer probleminha. Sou contra o masculinismo e feminismo pois acho que são movimentos sexistas que só servem para aumentar a distancia entre homem e mulher.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não acho que o feminismo tenha sido destruído. Acho apenas que existem pessoas que se dizem feministas sem saber exatamente o que significa o feminismo. E fazer parte de um movimento sem saber o que ele significa só pode dar em cocô mesmo.

      Excluir
  6. Vamos todos lutar pelo igualitarismo, essa é a opção mais correta... cada um usa seu livre-arbítrio da forma que quiser, porém cada um responde por seus atos de forma igualitária. Chega hora de acabar com essa distinção entre homens, mulheres, gays, negros, brancos, ricos, pobres, etc. Todos somos seres humanos e assim temos que ser tratados.

    ResponderExcluir
  7. Acredito que antes de escrever um texto falando de assuntos tão importantes, temos a obrigação de ter algum tipo de embasamento e mostrar um mínimo de coerência.
    Não posso negar que alguns comportamentos de mulheres extremistas citados no texto não aconteçam, mas, acho que é seriamente reprovável alguém pegar somente um aspecto de um movimento, generaliza-lo e através disso querer denegri-lo.
    O senhor esqueceu de falar no seu texto que esses comportamentos agressivos aos homens, muitas vezes são de grupos mais radicais e que em qualquer movimento pode surgir pessoas extremistas, isso não significa que elas estejam certas e não pode fazer com que esqueçamos o real significado do movimento.
    Na minha concepção, o feminismo surgiu para conquistar os direitos e a liberdade que por muito tempo foram negados às mulheres. Essa busca por direitos, não impede a luta de outros grupos por outros motivos. O que quero dizer é que cada um tem o direito de lutar pelo o que acredita, desde que respeite o direito do outro.
    Não me leve a mal, mas penso que esse texto tenha um pouco de falta de informação ou de má-fé, de qualquer forma queria deixar uma mensagem amigável, não me acho melhor do que ninguém, só acho que a solução para todos os problemas é a educação e a busca por conhecimento, acredito que sempre podemos aprender algo novo, então leia mais, pesquise mais, "o homem não é nada além daquilo que a educação faz dele" (Immanuel Kant.).
    Boa Tarde.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não sei se fui suficientemente claro neste post, mas o que tentei expor foi o fato de que o feminismo tende a ser parcial e indiferente com o que não incomoda as mulheres. Por isso que eu recomendo que os homens sejam igualitarista, pois assim não estarão "roubando o protagonismo" de ninguém.
      Se você ou mais alguém acha que estou denegrindo o movimento, entendeu errado. Já enfatizei a importância do mesmo em muitos outros posts. A questão não é o extremismo isolado, mas a direção radical como um todo que o feminismo vem tomando de acordo com o efeito manada e o efeito bola de neve juntos.
      O foco do texto é a defesa das igualdades gerais para todos em detrimento apenas da igualdade de gêneros. O igualitarismo é uma visão mais global do quadro e não exclui ninguém do mesmo independente de ser homem ou mulher. Além disso, qualquer um pode protagonizar o igualitarismo.

      Excluir
    2. Com base no que você diz que o feminismo tende a ser parcial e indiferente com o que não incomoda as mulheres? Infelizmente tem muita desinformação sendo divulgada por aí, acho que o seu texto é uma delas...
      Feminismo = igualdade
      Machismo = homens > mulheres
      Femismo = mulheres > homens

      Excluir
    3. Anôn das 08:08
      Essa história de feminismo = igualdade só funciona na teoria, porque na prática, a teoria é outra. Ou será que você nunca ouviu falar de male tears ou iuzomismo? O feminismo não tem mesmo obrigação alguma de defender o direito dos homens ou de outros grupos, para isso existe o igualitarismo.

      Entenda melhor sobre o argumento nesse vídeo:
      Machismo Não Existe!

      Excluir
    4. Vdd... Sou igualitarista, mais n concordo com mtt coisa q acontece no movimento, para as feministas se os homens n veem elas totalmente acima dele eles são "maxistas/opressores"...

      Excluir
  8. Só vou discordar no fato de que homens não sofrem violência da mulher. Você costuma ver notícias? Exemplo bem radical foi o caso do namorado estar dormindo e a menina cortar seu pênis, e uma galera feminista no facebook apoiar, dizendo que mereceu etc. Fora os casos dos manginas que apanham daquelas mulheres bravas por ciumes e aceitam calado. Entendo você falar em questão de proporções, mas falar que não existe violência feminina aí você ta bem enganado. Só pesquisar matérias. O google ta aí. :)

    ResponderExcluir
  9. Gente, usualmente crimes de violência em que mulheres são vítimas ocorrem devido a questões de gênero [ por isso, a importância da categorização de alguns crimes como feminicídio]. Isso é um fato. Nenhuma mulher em sã consciência apoia a violência ou fala que mulheres são incapazes de agir de forma violenta; o que se debate no movimento são os crimes de ódio ao gênero [vide assasinatos, estupros corretivos, etc]. E outra, os homens estão sim inclusos na Lei Maria da Penha, então, sim, se vocês estiverem sofrendo algum tipo de violência doméstica, procurem ajuda.
    E como foi falado em um comentário acima, existe extremismo em todo movimento, não apenas no feminismo. Não desmereçam uma causa válida com argumentos assim, condenem [se assim julgarem válido] falas que incitam a violência, mas não esqueçam também de buscar as causas para sentimentos que baseiam estes posicionamentos.
    Relacionado ao debate do feminismo, as mulheres estão se empoderando frente a questões como estupro, crimes de ódio ao gênero, salários reduzidos, etc, ou seja, questões que envolvem o gênero feminino. Não são defendidas questões como obrigatoriedade militar, ou diferenciação de preços em baladas [~cof cof estratégia dos eventos para atrair mais mulheres a serem "caçadas" cof cof cof~], idade para aposentadoria, etc, pq essas são questões "masculinas" e apenas vocês podem se empoderar, questionar e lutar pelos direitos de vocês. O movimento não fala que acha correto que exista essa diferença mas, do mesmo jeito que não queremos que os homens tomem conta do movimento e ditem o que é melhor para as mulheres, nós não ditaremos o que é melhor para eles. Quem melhor que vocês para lutarem pelo que é melhor para vocês [ desde que isso não danifique a liberdade do outro e que não incite a violência/inferiorização das outras pessoas/classes/gêneros]?

    ResponderExcluir
  10. Na minha escola fui tentar entrar num grupo de feminismo (não que eu seja a favor do feminismo), mas elas não me levaram a sério e disseram que eu só iria atrapalhar, além de dizer que este grupo é apenas para meninas. Depois desse dia decidi me tornar neutro nessas questões.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse clube da luluzinha dentro do feminismo nada mais é que corporativismo de gênero. Não acho que ele possa ser realmente levado a sério quando menospreza toda e qualquer opinião masculina. Ainda que o feminismo deva ser protagonizado por mulheres, acho que se tratando de igualdade entre homens e mulheres, deveriam, sim, tornar o movimento mais inclusivo.

      Excluir
  11. Eu sempre discordava com alguma coisa do feminismo é sempre fui a favor da igualdade, como disseram não q seja errado mas sim que tinha algo imcompleto, realmente o texto fala tudo momentos que eu ja abortei é sei que o igualitarismo é o correto disso tudo. Nos não somos azul é Rosa, somos coloridos é diversos, perfeitos das nossas próprias formas de achar nossa felicidade sem prejudicar ninguém.

    ResponderExcluir