domingo, 1 de novembro de 2015

E a histeria dos reacionários não tem limites

Histeria paranoica-psicótica típica dos reaças

Já ressaltei em outras postagens que todo reacionário é medroso por natureza. Agora pegue 500 quilos de reacionarismo e junte com mais uma tonelada de paranoia, fascismo e fanatismo tudo junto e misturado. O resultado é essa histeria ridícula que tem surgido nesses últimos dias contra qualquer ideologia minimamente igualitarista.
Primeiro foi o ex-colunista da Veja, Rodrigo Constantino, que acusou a produtora de games Ubisoft de "doutrinação marxista" por apresentar Karl Marx como "herói" do jogo Assassin's Creed Syndicate. Se alguém duvida dessa pérola, basta acessar o site do próprio Constantino neste link. Sim, de fato Marx e outros personagens históricos como Graham Bell e Charles Darwin aparecem no novo game da série Assassin's Creed. Mas o que reaça nenhum diz é que o próprio capitalismo se apossou da imagem deles para fazer lucro vendendo jogos. Além disso, ninguém está proibido de usar personagens históricos em seus jogos. Hitler mesmo já apareceu em diversos jogos e ninguém nunca deu um pio - mas basta falar o nome de Marx que essa turma conservadora começa e tremer. E o que o game coloca, pelo que vi no trailer, é uma luta ética contra a exploração dos trabalhadores em um período da história onde seres humanos não tinha praticamente nenhum direito trabalhista. Mas enfim, nem vou falar muito sobre isso, porque qualquer pessoa que possua um QI oscilando entre o de uma ameba e uma ostra consegue refutar a teoria estapafúrdia de doutrinação defendida pelo sr. Constantino.


Criadores do ENEM de 2015, ou não.
Outro fato que eu não poderia deixar de citar foi outro ataque reacionário vindo do pastor-deputado Marcos Feliciano (PSC-SP) e do nosso velho conhecido deputado fascista Jair Bolsonaro (PP-RJ) contra a prova e a redação do ENEM de 2015. Foi só citarem o nome de Simone de Beauvoir numa das questões e ter uma redação cujo tema era a violência contra a mulher que esses dois (e outros reaças) começaram a acusar o exame de "doutrinação marxista-cultural-feminazi". Primeiramente, é bom que se diga que a violência contra a mulher não é uma questão meramente feminista: é, antes de tudo, um tema que envolve ética, justiça e direitos humanos. E protestar contra um tema desse acusando-o de "doutrinação" é típico de uma mente psicopata cega pelo machismo e pelos privilégios de gênero e de classe. Não é possível alguém, em pleno século 21, achar que debater sobre a violência contra a mulher seja uma "doutrinação". Será que é "doutrinação" ter o mínimo de empatia com as milhares mulheres que são espancadas, estupradas, assassinadas e assediadas todos os dias? Cada vez que eu vejo essas reações birutas e misóginas me dá vontade de sair do armário e me assumir feminista de vez, porque eu vivo dizendo por aí que sou igualitarista para que as radicais não me acusarem de "roubo de protagonismo" ou de que "não tenho vivência para dar pitaco na luta alheia". Mas não é possível uma coisa dessa, eu não tenho como achar tolerável que alguém execre um tema de extrema importância para a sociedade como é o combate a todas as formas de violência contra as mulheres, meninas, senhoras e adolescentes. Isso porque eu nem comentei sobre a questão da Simone de Beauvoir. Putz, numa prova que tem mais de 170 questões os caras vão implicar por causa de UMA questãozinha sobre Simone de Beauvoir. Pelamordedeus! Esses machos estão precisando mesmo é de uma pia cheia de pratos para lavar, porque assim eles estão ajudando muito mais a sociedade do que vomitando essas diarreias mentais típicas da extrema direita.

Como um reacionário de extrema direita antipetista enxerga as coisas

Pra mim, chega. É por isso que eu digo que o conservadorismo é uma doença mental.

5 comentários:

  1. Wellington, você conhece aquela máxima que diz:" quem não cantou Vandré quando jovem não tinha coração e que canta depois de adulto não tem cérebro." Pois é, aparentemente você ainda está na fase do coração. Não defendo a supremacia de uma classe sobre a outra, o problema é que a esquerda usa o "canto da sereia" da igualdade social como forma de "humanização" da sociedade, mas nunca fez isso em nenhum país ou época onde se estabeleceu. Na melhor oportunidade que teve na vida política desse país, a esquerda não investiu em educação, que é a única forma eficiente de se libertar alguém. Muito pelo contrário, elevou o mercantilismo da educação privada ao seu mais alto grau de mercantilismo e mais baixo de eficiência. Detonou a educação pública.Tornou-se paternalista e assistencialista ao invés de libertadora e inspiradora. Não existe absolutamente nenhuma diferença entre comunismo e fascismo no nosso país hoje. Continuam criando massas de manobras quer pelo fatalismo quer pelo fanatismo e assim favorecendo oportunistas que só querem enriquecer.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, conheço essa máxima há bastante tempo. Mas ela não vem ao caso porque é mais uma falácia comumente usada pelos "liberais-consevadores" (que terminho mais contraditório esse não?). Mas enfim...

      O socialismo não ter dado certo não significa que a esquerda e suas múltiplas faces não possam reduzir as desigualdades historicamente construídas e tão fortemente naturalizadas pela burguesia. Não é interessante e nem lucrativo para as classes dominantes que a esquerda triunfe, por isso ela (a burguesia) se vale de velhos espantalhos para afastar o "perigo vermelho". O meu ideal seria uma democracia direta exercida pelos trabalhadores. O PT não teve culhões para fazer isso porque acabou abraçando as oligarquias econômicas devido a sua sede de poder, assim como também fez o PSDB. A diferença é que o PT não deu totalmente as costas ao povo, ou melhor: não tinha dado até um ano atrás.

      Já as diferenças entre comunismo e fascismo são tão grandes que daria para escrever uns sete ou oito livros somente listando todas elas. O problema é que o fascismo se confunde frequentemente com corporativismo e o socialismo se confunde com o capitalismo de Estado abraçado pelos tiranos da esquerda.

      Enfim, ainda há muito o que ser feito para consertar esse país. Se ter esperança num mundo mais justo e menos desigual for uma utopia, vou morrer ouvindo Vandré, Chico e quem mais souber entoar uma canção que toque nos corações das massas.

      Excluir
  2. Marx criou o comunismo numa base que não se sustenta, artificial, diferente do capitalismo que é a criatura incriada. Segundo Marx o valor de algo corresponde ao valor do trabalho necessário para produzi-lo(idiotice pura) enquanto na vida real o valor de algo corresponde a sua utilidade. Não interessa se algo custa 100 de trabalho + 100 de capital para ser produzido, se ele não for útil nunca sera vendido por 200.

    ResponderExcluir
  3. Parei de ler no "privilégio de gênero".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Graças a deus. Um reaça a menos neste blog.

      Excluir