quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Uma Luciana incomoda muita gente...


Toma!
Um fato que me chamou atenção nessas eleições de 2014 foi o rebuliço que a candidata Luciana Genro, do PSOL, causou nos meios de comunicação e, sobretudo, nos conservadores de direita. Um exemplo disso foi o blog da Veja, onde o colunista Rodrigo Constantino dedicou vários posts para criticar a candidata. Entre as muitas críticas, vi coisas bem clichês, como a suposta "simpatia" da candidata por regimes de esquerda, que ela faz parte da "esquerda caviar", que suas ideias são "insanas demais", que ela é uma "linha auxiliar do PT", que ela é uma "filhinha de papai mimada", que ela é louca, etc. Ora, para um partido pequeno como o PSOL estar ganhando tanta atenção assim - especialmente da oposição de direita - é porque algo nele está incomodando bastante.
Apesar de ter recebido menos de 2% dos votos, a candidata do PSOL conseguiu abordar vários temas polêmicos e atacou diretamente os interesses das grandes corporações (quem não se lembra quando a Luciana atacou a Globo no próprio debate da Globo?). Isso, sem dúvida, foi algo que muitos socialistas sempre quiseram fazer, mas nunca tiveram oportunidade ou coragem para tal. Esse comportamento revolucionário da Genro provavelmente suscitou em muitos reacionários o velho medo do bicho-papão comunista que se esconde debaixo da cama deles. Interessante notar também que uma parte do ódio irracional ao PT também foi direcionado para o PSOL por conta da postura antifascista que o partido têm tomado nessas eleições. Isso tudo mostra mais uma vez que os reacionários de direita estão com um pouquinho de receio do pequeno PSOL, parecendo esse embate uma espécie de duelo entre Davi e Golias. A grande verdade nisso tudo é que o socialismo destrói as grandes fortunas, o individualismo e a cultura consumista. Os reaças morrem de medo que o país acorde, por isso o PT e o PSOL são tão odiados por essa gente. Essa é a razão pela qual o PSOL está sendo tão criticado por essa turminha que só sabe falar de meritocracia, privatizações e livre mercado.

Toma você também!

E tome mais!
Agora falando em termos de realidade, é claro que o PSOL é um partido que precisa amadurecer, saber fazer alianças e parar de se agarrar a utopias marxistas que nunca deram certo. Também é necessário que o partido foque em questões de interesse da grande massa, porque a maioria da população proletária não está querendo saber de utopias ou de revoluções socialistas, mas sim de melhorar a qualidade de vida. Eu votei na Luciana Genro no primeiro turno como protesto e também por sua coragem em abordar temas mais "polêmicos", como os direitos dos LGBT - porém reconheço que ainda é necessário um grande salto de qualidade para que em outras eleições o PSOL tenha chances reais de disputar a presidência.
Mas o que realmente deve preocupar os comunistofóbicos é que a Luciana Genro não é a única a querer socialismo com liberdade. Foram mais de 1,6 milhões de pessoas que compartilharam com os seus ideias ao digitar 50 na urna eletrônica - e a tendência é que esse número aumente ainda mais nas próximas eleições. Se uma Luciana sozinha incomoda muita gente, imagine mais de um milhão e meio de 'Lucianas'?
Não gostou? Então #chupareaça!

E aí, vai encarar?

2 comentários:

  1. Também votei na Luciana Genro no primeiro turno. Quem sabe um dia a gente sai dessa polarização PT/PSDB?

    — Guilherme.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vamos sair sim, é só uma questão de tempo.
      Abraço.

      Excluir