sábado, 20 de outubro de 2012

Dicionário Religioso


Existem várias coisas estranhas que as pessoas religiosas fazem ou sofrem sem perceber - e muitas delas costumam ser verdadeiros crimes contra a humanidade. Pensando nisso, tive a ideia de criar um pequeno léxico mostrando várias coisas medonhas que só a religião faz por você. Confira:


Ameaças
São muito usadas por líderes religiosos como forma de controlar as pessoas através medo. Muitas pessoas temem que coisas ruins ocorram caso elas abandonem a sua crença ou deixem de obedecer as regras da sua igreja. Infelizmente, esse tipo de persuasão é muito recorrente, principalmente em igrejas neopentecostais com relação ao pagamento do dízimo.

Apostasia
Este é o "crime" de abandonar a sua religião, que muitas vezes tem como punição a excomunhão ou mesmo a morte (no caso dos muçulmanos).


Blasfêmia
Qualquer atitude, palavra ou discurso que ofenda uma divindade ou insulte uma religião é considerada uma blasfêmia. No caso dos muçulmanos, isso pode representar uma crise diplomática por conta do fanatismo e da teocracia instalada nos países de denominação islâmica.


Castidade
Beira a aberração que as pessoas renunciem a um dos maiores prazeres que a natureza nos deu em nome de entidades invisíveis e ditadoras. O controle da sexualidade é realizado como forma de manipular e reprimir as pessoas, afinal, quem praticar qualquer modalidade de sexo fora do que é determinado pelas igrejas, dependerá permanentemente de tratamentos espirituais para ficar afastado do "pecado". Infelizmente, até mesmo o uso de preservativos e de anticoncepcionais é proibido por diversas doutrinas, mesmo quando vivemos uma pandemia de DSTs.

Conformismo
É triste ver pessoas se conformando com sua condição de vida miserável, acreditando que serão recompensadas após a morte. Penso que seja uma tremenda estupidez deixar de viver e aproveitar essa vida para ser feliz numa suposta vida que possa existir após a morte. É o que ocorre, por exemplo, no hinduísmo, onde os seguidores devem se conformar com a sociedade de castas (vide a religiosidade dos Sudras). O mesmo também ocorre no kardecismo, onde as coisas ruins dessa vida são castigos para reparar as coisas erradas feitas nas encarnações anteriores. E, por que não, também no cristianismo, onde os fiéis se conformam com o sofrimento da vida para obter a felicidade após a morte.


Dízimo
Imagine a quantidade de dinheiro (10% do salário de cada fiel) que vai diretamente para as contas gordas dos líderes religiosos todos os meses... Na maioria das vezes, o dinheiro arrecadado com os dízimos não é destinado para ações sociais e só serve mesmo para enriquecer os pastores. Também há outras variações, como o trízimo, que confere um valor extra além do dízimo, geralmente 30% da renda mensal do fiel.

Dogmas
São verdades fundamentais e absolutas que formam os alicerces das doutrinas religiosas. São apresentadas sem qualquer evidência e não podem ser contestadas. O único argumento que prevalece aqui é o da autoridade.


Esperança
Trata-se da capacidade do devoto manter os seus sonhos e desejos pessoais longe do aqui e do agora, isolados em um futuro intangível. Mantendo os objetivos numa dimensão irreal do tempo (no futuro, no caso), o fiel se mantém iludido e agarrado a uma expectativa muitas vezes vã de que a sua vontade se realize.

Esquizofrenia
Muitas pessoas que alegam experiências divinas e sobrenaturais sofrem de psicopatologias sem saber. Alucinações, delírios e perda de contato com a realidade não são provas de fé: são transtornos mentais que exigem tratamento psiquiátrico. Contatos com seres celestiais e experiências místicas comumente estão relacionadas a esse item.



É a crença irracional em algo (geralmente improvável) sem a apresentação de qualquer evidência ao seu favor. Praticamente tudo que envolve as religiões exige o uso da fé, seja para crer em seus deuses ou em seus milagres.

Fornicação
Para muitas religiões, o sexo antes do casamento consiste em um pecado hediondo que fere os princípios sagrados. Estranho que entre todos os animais sexuados do planeta, essa regra sirva apenas para os seres humanos... O que temos de tão especiais para que o sexo seja uma coisa tão abominável para nós a ponto de só podermos praticá-lo dentro de um vínculo monogâmico e vitalício?


Glossolalia
Essa maluquice aqui consiste em falar em línguas estranhas (que ninguém consegue entender) como se isso fosse algo divino. Qualquer retardado mental consegue falar embolado para parecer uma língua estranha, pois sons inteligíveis são feitos pelo homem desde a idade da pedra.


Heresia
Qualquer ideia que seja contrária aos dogmas, que conteste o poder teocrático ou que questione os valores de uma religião recebe este nome feio. Como o autoritarismo e o não-questionamento são uma constante em praticamente todas as religiões, a heresia acaba se tornando uma ameaça digna de combate por parte de muitos líderes religiosos.

Homofobia
A maioria das religiões condena e hostiliza as pessoas apenas por elas gostarem de pessoas do mesmo sexo. Nem é preciso dizer que isso fomenta violência, preconceito e estupidez a troco de nada.


Idolatria
Adorar estátuas, ídolos ou animais é considerado o caso mais comum de idolatria do ponto de vista das grandes religiões abraâmicas. E como a idolatria se baseia na veneração de objetos ou seres reais, isso incomoda as religiões teístas, pois os deuses delas são todos invisíveis, indetectáveis, omissos e intangíveis.

Ímpio
Toda pessoa que recebe este rótulo por parte dos religiosos é tratada como um ser desprezível, revoltado, perigoso e digno de pena - tudo isso por não acreditar ou seguir os preceitos de uma religião. Muitas vezes o termo "ímpio" é um eufemismo para a palavra 'ateu'.

Inferno
Boa parte das religiões profetiza um lugar extremamente desagradável para onde as pessoas desobedientes devem ir após a morte para sofrerem por toda a eternidade. O inferno é descrito normalmente como um lugar cheio de fogo, torturas, ranger de dentes e dor sem fim. Uma dúvida recorrente é saber que combustível é esse que mantém as chamas do inferno acesas por toda a eternidade.


Masoquismo
Jejuns, castidade, penitências, culpa: todas essas coisas são puro masoquismo. Considerar o sofrimento como uma virtude e tratar o prazer como se ele fosse pecado é uma das bases das grandes religiões monoteístas. Uma coisa é desenvolver o autocontrole - outra coisa é buscar o sofrimento como forma de purificação e felicidade. Um caso mais extremo é a autoflagelação física que ocorre em rituais bizarros como o Ritual Ashura, onde os fiéis se açoitam, se perfuram e até são crucificados em nome da fé.

Milagre
Muitos fenômenos supostamente extraordinários, improváveis ou inexplicáveis que ocorram de acordo com os desejos do devoto são tratados como milagres. No caso das curas de doenças, muitos dos supostos milagres tem causa psicossomática ou são simples frutos de erros de diagnóstico médico. Além disso, quase sempre há a interferência da medicina e da ciência para auxiliar na cura, do contrário, confere uma teofilia (ver significado mais adiante).

Mutilação
Em muitas tradições religiosas, como a judaica, por exemplo, as pessoas sofrem mutilações genitais. No caso dos judeus, o extirpamento do prepúcio dos bebês é feito por rabinos que não entendem nada de medicina e sequer usam anestesia. Essa é a marca registrada de religiões tribais e por demais primitivas.


Pareidolia
Pessoas que enxergam formas de pássaros em nuvens, santos em janelas ou formas de rostos em locais inusitados confundem frequentemente ilusão de ótica com superstição.

Pedofilia
O abuso sexual de crianças e adolescentes é um crime grave que ocorre com grande frequência em conventos, igrejas e sacristias, quase sempre católicos. Infelizmente, é muito raro haver alguma punição para os pedófilos ou medidas que coíbam tal crime.

Profecia
Previsões do futuro que ocorrem através de uma suposta revelação divina não possuem qualquer respaldo científico. Em muitas seitas e religiões tribais tais profecias não passam de visões psicodélicas de xamãs e pajés após o consumo de ervas alucinógenas.


Ressurreição
Poucas coisas são tão paradoxais quanto a ressurreição dos mortos no suposto dia do Juízo Final. De acordo com o ciclo da matéria, os átomos que fizeram parte do corpo de pessoas que já morreram podem estar, neste exato momento, fazendo parte do meu corpo ou do seu. Se as pessoas ressuscitassem, faltariam átomos para compor os seus corpos, uma vez que as nossas moléculas não pertencem aos nossos corpos, mas sim à natureza.


Sacrifícios
Muitas pessoas deixam de fazer coisas que gostam ou buscam propositalmente o próprio sofrimento como forma de purificação ou penitência. Um caso mais grave é o de sacrifícios de animais ou pior ainda: o de sacrifícios humanos (como ocorria na cultura Asteca).

Sacrilégio
É uma ofensa, profanação ou ultraje a pessoas ou coisas sagradas. É, muitas vezes, considerado um crime religioso passível de punições severas ou até mesmo de sentenças de morte, como no caso do islamismo.

Sincretismo
A maioria das religiões modernas é formada a partir do sincretismo religioso de religiões mais antigas. No caso do cristianismo, por exemplo, vemos claramente que essa religião sofreu fortes influências das mitologias hebraica, suméria, persa, egípcia e mesopotâmica.


Teleologia
O homo sapiens tem uma mania estranha de achar que tudo existe serve para alguma coisa. Muitos religiosos acreditam que tudo no universo tem um propósito predefinido por um Criador. Mas nem tudo tem um objetivo ou finalidade para existir. Basta pensar, por exemplo, para que servem os planetas ou as galáxias distantes que não podem ser vistas a olho nu.

Teocracia 
É o poder máximo atingido por uma religião, ou seja: quando ela se torna o Estado, impondo uma ditadura religiosa para todos os cidadãos. É o oposto perfeito do estado laico. Muitas pessoas concordam que a teocracia é o objetivo máximo de todas as religiões, pois assim elas podem controlar a tudo e a todos.

Teofagia
Trata-se de estranhos rituais onde há a ingestão sacramental ou simbólica de um deus. No catolicismo, por exemplo, existe a antropofagia simbólica onde os fiéis comem o corpo (hóstia) e bebem o sangue (vinho) divino. Coisa que não é muito diferente dos rituais antropofágicos dos povos ameríndios que eram pejorativamente rotulados como "canibais".

Teofilia
Isso aqui consiste na ideia aberrante de que as orações podem realizar o que os medicamentos e os atos médicos não conseguem. Recusar receber cuidados médicos para receber tratamento espiritual não é fé, é suicídio. Isso é muito recorrente entre as Testemunhas de Jeová, que preferem orar a receber transfusões de sangue.


Por tudo isso, eu me considero livre e feliz longe das religiões.

2 comentários:

  1. O último vídeo, fora a linguagem meio rebuscada, é ótimo!
    A leveza de viver sem a culpa e o medo imposto pela igreja é o grande atrativo do ateísmo. Ainda entendo que a fé em Deus, deuses, em nós mesmos, na vida, é pessoal e intransferível... alguns conseguem ser livres para viver suas próprias crenças, outros carregarão pela vida as amarras imperceptíveis, ou não, da crença cega numa igreja.
    Beijos meus

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sabe, llManuh, eu penso que a luta de todos deveria ser pela liberdade de crença ou de descrença. Se alguém quer ser religioso, que seja; se alguém quiser ser descrente, que seja também. A grande luta dos movimentos antiteístas é contra aquela ideia de que as pessoas só são felizes ou moralmente corretas se tiverem uma religião. Fora isso, o que importa é que cada um seja feliz acreditando no que bem entender.

      Obrigado pela participação e um grande abraço.

      Excluir