segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Você já viu a Via Láctea?

A Via Láctea vista da Terra

Uma das coisas mais fascinantes que alguém pode ver ao olhar para o céu noturno é aquela nuvem branco-acinzentada pairando na imensidão do espaço. Essa nuvem nada mais é que um conjunto de bilhões de estrelas unidas pela gravidade, formando aquilo que chamamos de a Via Láctea - a nossa galáxia.
Como o nosso sistema solar faz parte da Via Láctea, nós a enxergamos daqui da Terra sob uma perspectiva lateral, vendo-a como um caminho de luz cortando todo o céu. Se pudéssemos ver a Via Láctea de cima, ela seria semelhante a um disco espiral.

A Via Láctea vista, hipoteticamente, de fora

O nosso sistema solar está dentro de um dos braços da espiral da Via Láctea, distante a aproximadamente 26 mil anos do núcleo da galáxia.

O nosso Sol está localizado no braço de Orion (em laranja)

Não é de se admirar que você nunca tenha visto a tal nuvem de estrelas que compõe a nossa galáxia. Isso porque é necessário estar num local com baixa iluminação, sem a luz da Lua para ofuscar e sem as nuvens da nossa atmosfera para obstruir a visão do céu. O obstáculo mais comum, ao meu ver, é que a maioria das grandes cidades - onde mora a maior parte da população mundial - sofre com um problema chamado poluição luminosa.

Exemplo de poluição luminosa

Damos o nome de poluição luminosa ao excesso de luz artificial produzido pelas metrópoles. Pode parecer que isso não interfere muito na nossa visão, mas das cerca de 3000 estrelas que podem ser vistas a olho nu no céu, mal conseguimos enxergar 100 delas de dentro de uma cidade com uma poluição luminosa elevada. E, além de atrapalhar os astrônomos amadores e profissionais a visualizarem as estrelas, a poluição visual também afeta o ecossistema. Animais de vida noturna são seriamente prejudicados por essa quantidade abusiva de luz que é emitida pelas grandes cidades. Esse é um problema que precisa ser urgentemente solucionado, tanto para preservar a biodiversidade, quanto para reduzir gastos desnecessários com energia elétrica.

As regiões do planeta mais afetadas pela poluição luminosa

Para enxergar a Via Láctea, precisamos ir para um lugar afastado, onde tenham poucas nuvens e que fique longe das luzes ofuscantes dos grandes centros. Uma praia deserta, uma casa de campo isolada, uma região despovoada ou mesmo a bordo de um navio, somos capazes de visualizar o céu com uma maior riqueza de detalhes, mesmo a olho nu. É por essa razão que os maiores telescópios do mundo se situam em regiões altas ou isoladas. Em regiões mais altas temos o benefício de ter uma atmosfera mais rarefeita e que dificulta menos a visão.

Constelações vistas de Campos - RJ
Constelações traçadas

Na nossa Via Láctea existem cerca de 200 bilhões de estrelas. E todas elas estão girando ao redor do núcleo galáctico numa dança cósmica que já dura mais de 13 bilhões de anos.
Devido a grande distância que estamos das estrelas, estamos vendo, na verdade, como elas eram no passado, nos fazendo viajar no tempo e no espaço para compreendermos melhor a nossa origem e a do universo.

Para mais imagens do universo:
Observatório Europeu do Sul
Observatório Gemini
Telescópio Subaru
Telescópio Espacial Spitzer
Telescópio Espacial Hubble

0 comentários:

Postar um comentário