sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Tipos de feminismo


Graças à internet, o feminismo está se tornando um movimento cada vez mais popular. A cada dia, mais e mais pessoas se engajam ao movimento por compreender a sua vital importância para todos nós. Eu diria até que o feminismo está iniciando uma revolução que vai entrar para os livros de história do futuro. Vivemos, sem dúvida, um momento histórico único onde o poder do patriarcado está sendo contestado, encurralado e destruído aos poucos. Para se ter uma ideia, um estudo,  que foi conduzido em 70 países durante 40 anos, relatou que a mobilização de movimentos feministas foi mais importante para a redução da violência contra as mulheres do que o posicionamento político e até mesmo a riqueza dos países.
Pois bem, depois de observar durante algum tempo o movimento feminista como um todo, descobri que não há apenas um tipo de feminismo. Existem vários feminismos sendo disseminados por aí. E baseado nas minhas observações, percebi que há seis subtipos de feminismo integrando o movimento como um todo. Apesar de alguns não possuírem qualquer ligação com a ideologia original do feminismo, resolvi incluí-los na lista pelo fato deles se autointitularem feministas.

Feminismo tradicional (legítimo)
Este é o feminismo padrão, que é formado pela imensa maioria das feministas. Ele defende a igualdade, a liberdade, o fim do machismo, o fim do slut-shaming, o fim do feminicídio, o fim da violência contra a mulher, o fim da cultura do estupro, o fim do assédio, o fim de privilégios masculinos, o fim da falta de autonomia das mulheres, o fim da cultura sexista, o fim de leis que controlam os corpos das mulheres e o fim de padrões heteronormativos que causam sofrimento para todos. Este feminismo é parceiro dos direitos humanos e busca um mundo melhor para homens e mulheres. É este feminismo que precisa ser divulgado e difundido cada vez mais: seja através da internet, da mídia, da publicidade, da música, da arte e do entretenimento. Quanto mais pessoas compreenderem a importância desse movimento, mais justo e menos desigual o mundo será para todos. Geralmente, essas feministas usam o diálogo e manifestações pacíficas para reivindicar os seus direitos.


Feminismo radical
Este feminismo é ideologicamente idêntico ao tradicional. A diferença é que ele crê que só é possível mudar o mundo, de fato, através da luta e do radicalismo. Esta é a ala mais agressiva e autoritária, que costuma chocar, incomodar, escandalizar, gritar, protestar e até mesmo partir para a briga como forma de fazer com que as reivindicações femininas sejam atendidas e levadas a sério.


Feminismo Abolicionista (antiliberal)
Dentre as feministas há também um grupo mais conservador e antiliberal que acredita que a censura e algumas proibições se fazem necessárias para proteger as mulheres. Segundo as abolicionistas, o Estado deve regular certos comportamentos para evitar o "abuso" e a "exploração" das mulheres. Estas feministas se posicionam claramente contra a prostituição, contra a pornografia, contra o aborto, contra games sexistas, contra a 'objetificação' humana, contra a exposição sensual do corpo feminino na mídia e até contra a participação feminina em instituições "sexistas" como, por exemplo, as Forças Armadas. Geralmente, apelam para o discurso da degradação feminina e, não raramente, abraçam algumas ideologias cristãs. Francamente, eu não vejo esse grupo como feminista, mas sim como antifeminista, porque ele entra em conflito direto com muitos ideais do feminismo tradicional.


Andrea Dworkin: ícone separatista
Feminismo Separatista
É aquele que é formado por mulheres que acreditam que apenas as próprias mulheres devem fazer parte do movimento feminista. Se baseiam na ideia de Andrea Dworkin que dizia que as mulheres tinham direito a um estado, assim como os judeus, pelos crimes cometidos pelo patriarcado ao longo da história. Há outras também que sonham com uma sociedade feminina (ginocêntrica).


Feminismo Sexista (femismo)
Entre as feministas estão também aquelas que não lutam por igualdade, mas, sim, por privilégios e revanchismo. É um grupo pequeno, formado quase sempre por fundamentalistas que querem uma vingança por toda a repressão que o patriarcado as causou. O nome correto para esse movimento é o femismo, que é um machismo invertido, onde querem sobrepor as mulheres em relação aos homens. Algumas militantes deste movimento são claramente misândricas, ginocêntricas e até, acredite, heterofóbicas (pois consideram a heterossexualidade uma forma de opressão). A proposta dessas militantes não é a igualdade – fato este que as afasta da real luta do feminismo. Também não considero esse grupo como sendo feminista. Na minha opinião, são pessoas que querem aparecer e queimar o filme do feminismo através de uma guerrinha de sexos inútil. Este tumblr comprova a minha teoria.

A autêntica feminazi

Feminismo fascista (feminazismo)
Existe uma subdivisão dentro do Femen de integrantes que tem islãfobia (fazem boicote a atletas e imigrantes mulçulmanos), adotam ideais nazistas e fascistas, fazem apologia à violência contra homens (testículos mutilados), usam símbolos e ícones (flores brancas) que remetem à pureza ariana, são gordofóbicas e racistas (só aceitam mulheres brancas e magras) e simpatizam com conservadores como Bolsonaro e Feliciano. Eu acredito que esse tipo de organização é um movimento neonazista disfarçado de feminista, daí que eu acho bastante justo rotulá-lo de feminazi (feministas + nazistas). Claro que sei que o termo feminazi, criado preconceituosamente pelo conservador americano Rush Limbaugh, infelizmente, costuma ser usado de maneira ofensiva pelos reacionários para hostilizar todas as feministas. Mas, para mim, feminazis são esses grupos de extrema-direita que querem fazer arruaça para aparecer através de ideologias fascistas. Se alguém duvida disso, acho bom dar uma olhada neste post aqui.

PS: As definições criadas nesta postagem não devem ser tomadas como verdades, pois não se tratam de nenhum estudo acadêmico. Aqui temos apenas a opinião de quem está começando a compreender melhor o feminismo.

12 comentários:

  1. Feminismo e femismo são a mesma coisa: UMA MERDA!

    ResponderExcluir
  2. feminismo mata,machismo mata ou seja sexismo mata. O feminismo não é parceiro dos direitos humanos, a igualdade sexual que é. o feminismo não tem tipos é a mesma coisa ou seja é o machismo,mas ao contrário. Se você visa a igualdade sexual,parabéns,você não é feminista. O feminismo mata e o machismo mata.

    #homensemulheressãoamesmacoisa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Feminismo mata? Onde estão as estatísticas disso?
      O problema todo está quando alguém pensa que o feminismo é um machismo invertido, coisa que não é. O feminismo é uma das várias subdivisões do igualitarismo, portanto, ele existe para tornar o mundo um lugar menos desigual e mais justo para todos.

      Excluir
  3. O feminismo abolicionista é "contra" o aborto? Quero fontes disso aí. Nenhum feminismo (independente de sua vertente) é contra o aborto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uai, vc nunca ouviu falar de feministas cristãs? Ou de feministas de direita? Ou de feministas que acham que o aborto é uma violência contra as mulheres (especialmente as negras)? Ou que o aborto é uma limpeza étnica das camadas pobres da população. Olha o que essa mulher aqui falou.

      Abra a sua visão de mundo e vc verá que há todo tipo de gente inserida em causas sociais.

      Excluir
    2. Sim, caramba, há 'feministas' especificas que são contra o aborto. O que estou indagando é o movimento feminista como um todo. Se há uma vertente do MOVIMENTO FEMINISTA que é contra o aborto, que tem em sua pauta a proibição do aborto, etc (não vale o sufrágio feminino, pois esse não existe mais).

      Mas daí vc cita o Feminismo Abolicionista. Quero saber se uma das pautas do Feminismo Abolicionista é a proibição do aborto (já conversei com várias feministas que são abolicionista e são favoráveis a legalização do aborto), porque não vi NADA referente a isso.

      "Feministas de direita"? Vc está brincando com a minha cara?Isso não existe. São apenas oportunistas querendo usurpar o movimento de libertação feminina para seus fins políticos que de feministas nada tem. Acorda.

      Excluir
    3. Não sei se existe alguma vertente específica que luta contra a legalização do aborto. Sei que há muitas feministas, especialmente as religiosas, que são contra o aborto. Quando disse que há mulheres anti-aborto entre as abolicionistas não significa que as feministas abolicionistas como um todo pensam assim. O que aproxima as anti-aborto das abolicionistas é, creio eu - o antiliberalismo. Acho que acabei generalizando no post e isso gerou esse mal entendido.

      Sobre feministas de direita, só pode ser brincadeira que vc nunca ouviu falar delas. O colunista Alex Castro falou brevemente sobre elas neste texto. Segue um trechinho dele:

      "...(feministas de direita) acreditam na desigualdade, só que elas querem estar no topo e não por baixo. Mas elas se acomodam bem ao sistema como ele é ou com as pequenas mudanças para acomodar suas reivindicações. O capitalismo certamente pode se dar ao luxo de permitir às mulheres a servir o exército ou entrar para a força policial. O capitalismo é certamente inteligente o suficiente para deixar mais mulheres participarem do governo."

      É bom não confundir igualdade econômica com igualdade de gêneros. Há feministas a favor da liberdade econômica e de gêneros também (as anarco-capitalistas ou mesmo o próprio Femen, por exemplo). O feminismo burguês existe, apesar de não se colocar de forma categórica para não ser hostilizado, já que a maioria das feministas é de esquerda.

      Excluir
  4. Ou seja. O último título é dado por você (com espantalhos e Reducto ad Hitlerum de brinde) àquelas que simplesmente seguem bem suas vidas sem compactuar com essas merdas.
    Máxima de Lênin: Xingue-os do que você é, acuse-os do que você faz.

    ResponderExcluir
  5. Pqp que merda de texto, meu Deus... Tá tudo errado, cade o classista, o feminismo queer, intersecional...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Existem mais de 8.000 tipos diferentes de feminismo. Não dá para listar nem uma fração deles em um post. Hoje eu diria que há dois tipos essenciais de feminismo: o radfem e o libfem. Isso já bastaria. O resto são subdivisões que envolvem feminismo negro, vegano, trans, cossaco, juche, bolivariano, liberal, libertário, capitalista, socialista, sindicalista, revolucionário, anarquista, conservador, utópico, neoclassisista, pós-moderno e mais milhares de outros.

      Excluir