segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Reflexões sobre a pornografia 2 (adendo)


No post intitulado Reflexões sobre a pornografia, faltaram algumas considerações que talvez tenham levado a uma interpretação equivocada sobre o que eu penso a respeito o tema. Primeiramente, eu NÃO estou fazendo militância contra a pornografia. Eu apenas apontei alguns problemas que eu vejo na pornografia tradicional e as possíveis consequências de limitar a experiência sexual humana àquilo. A pornografia mostra menos de 1% do universo sexual humano. Quanto aos supostos problemas ligados à pornografia que preferi não citar no post anterior, vou comentar alguns deles:

Tirem as crianças da sala!
Menores de idade assistindo pornografia
Os pais têm a OBRIGAÇÃO de saber, supervisionar e acompanhar o que os seus filhos estão assistindo. Culpar a pornografia pelo fato dos pais não estarem de olho no que os seus filhos assistem é um ato de irresponsabilidade. Todo filme pornô é para maiores de 18 anos.


A pornografia é machista
Isso não é coisa para meninas!
Na prática, a pornografia é um tipo de prostituição, porque visa o prazer do homem em troca de dinheiro. Da mesma forma que nenhum homem vai num prostíbulo satisfazer uma prostituta, nos filmes também não há maiores preocupações em satisfazer as atrizes. Filmes pornôs não estão aí para satisfazer ambos os sexos, estão aí para vender alimentando a fantasia masculina.


Cadê o diálogo?
Problemas no casamento
Já vi várias mulheres dizendo coisas do tipo: "Ah, mas o meu casamento está uma porcaria porque o meu marido vê pornografia". Isso é problema das mulheres com os seus respectivos maridos. Não venham querer impor uma censura para o resto do mundo por uma coisa que supostamente está causando problemas no seu casamento.
Isso se resolve com diálogo. E ainda bem que esses maridos estão vendo pornô em casa. Pior se fosse como antigamente: quando os homens procuravam na zona do baixo meretrício o sexo que hoje eles veem no pornô, correndo o risco de levar doenças para esposa e de gastar o dinheiro da família com raparigas.


Traição ou fantasia?
Medo da comparação
Uma das grandes neuras femininas é justamente o medo de serem comparadas com outras mulheres em aparência e desempenho. Muitas mulheres sentem ciúmes pelo fato de seus companheiros verem outras mulheres fazendo malabarismos sexuais. Todo mundo sabe que os homens são naturalmente atraídos por mulheres, no plural. E independente de ver ou não pornografia, o cara vai fantasiar com outras mulheres. É melhor que ele fantasie com mulheres que nunca vai comer, do que trair no âmbito da realidade. Além do mais, duvido muito que algum homem ame mais as atrizes dos filmes do que a sua própria companheira. E se isso por acaso acontecer, é hora de discutirem a relação.

Humilhação para uma feminista
Mulheres são vistas como meros objetos
Se uma mulher se incomoda com isso, então que não se relacione com homens que enxergam as mulheres assim. Sexo é uma coisa consensual, qualquer coisa fora isso é abuso sexual e chantagem. Os homens que acham que as mulheres não passam de bonecas infláveis não são dignos de receber o amor e a entrega de uma mulher. Já os caras que pensam que as mulheres têm orgasmos tendo suas fantasias ignoradas ou fazendo algo forçado vão ralar muito na vida até aprender que o sexo entre iguais é uma troca - e não uma coisa egoísta.

Posições sexuais machistas
Ah, isso é coisa de quadrúpedes!
Helena Ramirez, histórica líder do movimento feminista no Brasil, deu a seguinte declaração no Programa do Jô: “Mulher que se submete a fazer sexo na vexatória posição ‘de quatro’ está jogando no lixo as décadas de luta das mulheres conscientes”. Segundo essa linha de raciocínio femista, metade do Kama Sutra precisaria ser censurado devido às posições de "submissão" das mulheres. Imagino que os maridos dessas mulheres femistas devem tirar o atraso 'por fora' com mulheres que não têm tantas restrições nesse sentido.

Isso ninguém diz que é humilhante
Mulheres sendo humilhadas
Engraçado que as feministas radicais não protestam contra os filmes pornôs gays masculinos nesse aspecto. Sem falar nos filmes de dominação feminina - onde o homem é humilhado, penetrado e apanha de mulheres. Nesse caso, também não vemos histeria feminina em coibir esse material. E depois vêm falar de igualdade entre homens e mulheres. Além disso, a suposta "humilhação" é muito relativa, uma vez que têm homens e mulheres que se excitam com coisas supostamente humilhantes e degradantes (masoquistas). Esse feminismo exacerbado me incomoda, pois numa relação sexual, o que há de errado em um homem "bater" na bunda de uma mulher ou a mulher "bater" nas nádegas de um homem? Se os dois estão em comum acordo, não há nada de anormal nesses jogos que esquentam a relação.
Além disso, a cultura sexual varia no tempo e no espaço. O que é obsceno para nós hoje, pode não ter sido há séculos atrás para outros povos e pode não ser no futuro.

A questão do ponto de vista
Sujar cara não é pecado!
A ideia de humilhação ou degradação está nos olhos de quem vê, porque isso depende do ponto de vista de cada um e da cultura em questão. Um caso clássico disso é o bukkake (ejaculação facial), que em tempos medievais era considerada uma punição contra mulheres adúlteras. Porém, o Zeitgeist (espírito do tempo) muda. No caso da indústria pornô voltada para o público masculino, os diretores precisavam evidenciar que o ator atingiu o orgasmo. Porém, se o ator ejaculasse dentro da mulher, ninguém ia ficar sabendo se houve orgasmo ou não - daí veio a ideia de se ejacular fora do corpo da mulher. Só que poucas mulheres sabem que os homens, de um modo geral, valorizam bastante o contato da mulher com o seu sêmen, pois isso é um ato de entrega, confiança e carinho na mente masculina, mostrando que ela não tem nojo do parceiro - além de ser a realização de uma fantasia. Alie isso ao fato dos homens se excitarem demais visualmente e então descobrimos o porquê de tais cenas serem corriqueiras nos pornôs. Enquanto as mulheres veem como submissão, os homens veem como cumplicidade. O que falta para os casais heterossexuais é justamente uma maior compreensão em relação aos desejos um do outro.
Machista!
Um fato curioso sobre o bukkake é que muita gente o vê, por exemplo, como uma humilhação tal como levar uma cusparada no rosto. Mas veja só que curioso: na tribo Masai, encontrada no Quênia e na Tanzânia, cuspir uns nos outros é uma forma de saudação. E o que dizer, por exemplo da tribo Baruya, da Nova Guiné, onde as mulheres 'enfraquecidas' pela menstruação ou pelo parto bebem esperma. Ou seja: degradante para nós, mas não para outras culturas.
Enquanto os homens acharem que aquilo que excita as mulheres é frescura, coisa de maricas ou irrelevante - e as mulheres acharem que aquilo que excita os homens é algo repulsivo e machista - ninguém vai se entender e o número de gays só vai crescer.

Benefícios da pornografia
Para que ninguém pense que só há coisas ruins envolvendo a pornografia, ninguém comenta, por exemplo, o fato da pornografia ser um meio alternativo - uma espécie de válvula de escape - utilizado, na maioria das vezes, por homens que não conseguem relacionamentos com mulheres que simplesmente os ignoram. Não é à toa que bonecas infláveis e as Real Dolls da vida fazem tanto sucesso com o público masculino. De fato, a pornografia nos faz sempre lembrar que poderíamos ter algo melhor em troca de tanta chatice, exigências e frescuras de um relacionamento. Ela ajuda o homem a não se tornar refém das mulheres pela sua libido.

Solução diplomática
A palavra aqui é uma só: diálogo. Censurar um tipo de subcultura não resolve problemas, apenas piora. E é absolutamente ingênuo achar que as mulheres seriam melhor tratadas pelos homens se não houvesse pornografia. Muita gente comenta que antigamente os homens sabiam tratar bem as suas mulheres e que depois da pornografia surgir, agora os homens querem repetir aquelas coisas "horrendas" com as suas parceiras e que o respeito pelas mulheres está em declínio. Isso é uma falácia chamada de Post hoc ergo propter hoc, que consiste na ideia de que dois eventos que ocorram em sequência cronológica estão necessariamente interligados através de uma relação de causa e efeito. Isso porque a pornografia não é a culpada por tais condições. E se alguém pensa que antigamente as coisas eram melhores, recomendo que continuem lendo este post.

Antigamente, a pornografia era ao vivo e em cores
Antes da massificação da pornografia...
As mulheres que condenam a pornografia achando que o "sexo machista" é modinha de filme pornô, além de não conhecerem a história, não conhecem a sexualidade masculina. Na época em que não existia pornografia free na internet (vamos nos situar lá pelos anos 40), os homens faziam todas aquelas coisas "repulsivas" com as meretrizes (nome bonito para prostitutas, na época). E os homens jovens aprendiam como arrancar a roupa da mulher, como dar tapas na mulher e como 'transar para valer' (eufemismo) através dos amiguinhos virgens que não entendiam nada sobre sexo. Naquela época não tinham protestos feministas quanto a isso por duas razões: primeiro porque as mulheres não tinham voz diante do patriarcalismo dominante. E, segundo, porque as mulheres nem tinham conhecimento desse fato - já que tudo era feito às escondidas no "Clube do Bolinha", onde só homens discutiam sobre esse assunto. As mulheres 'direitas' não ficavam sabendo nada sobre os pais levarem os garotos no puteiro e, quando sabiam, nada podiam fazer. Já no prostíbulo, o sexo não era muito diferente do que vemos na pornografia atual: ou você acha que os homens pagavam para fazer papai-e-mamãe no escuro com as quengas?
O problema da pornografia é que ela ganhou livre acesso, aí as feministas, que agora descobriram do que os homens gostam, ficaram horrorizadas e querem proibir. Alie isso ao fato de que aquela história de "mulheres para casar" e "mulheres para transar" está totalmente démodé. Aí danou-se tudo, porque os homens agora querem fazer com suas digníssimas parceiras o que antes faziam apenas com as quengas. É óbvio que numa sociedade onde as mulheres ainda são reprimidas sexualmente isso só poderia dar merda. Basta imaginar como uma mulher reprimida vai se sentir na hora que o parceiro dela propor uma coisa mais hardcore na cama.
Acho que ela não gostou do hardcore

Faça amor, não faça guerra!
Conclusão
Querer proibir a pornografia é censura. Ao invés disso, deveriam tentar desenvolver uma pornografia mais soft, mais feminina e voltada para o prazer das mulheres. Vai que os homens também tomem gosto pelo gênero e aprendam a dar prazer às suas parceiras para que os dois gozem juntos e sejam felizes para sempre. ;)
E, por favor, precisamos acabar com essa história de ver o sexo como se fosse um jogo de poder onde as coisas são uma relação de dominação. Sexo é alegria, diversão, prazer, cumplicidade, entrosamento, intimidade e afeto. Amadureçam, crianças!

Recomendo amplamente que leiam o post do site Casal Sem Vergonha que lançou um manifesto por um pornô mais feminino. O link segue a seguir:
Manifesto por um pornô mais feminino

Informações adicionais:
Sobre os rituais sexuais dos Baruya
Sobre os Masai e o cuspe
Movimento feminista pede às mulheres para que não transem mais de quatro 

Para saber mais:
Livro de Ouro do Sexo
Diversidade do comportamento sexual humano (matéria da Super)

11 comentários:

  1. Difícil amigo..rsss Uma forma de mostrar o quanto é prazeiroso o contato da mulher e o semem masculino, seria um abraço, um beijo nessa mulher toda melecada depois de uma relação...rss, eu sempre fico esperando ver esse final! Será que o contato com o próprio semem enoja o homem? A fantasia masculina depois de meia de hora de teatro antes de levar uma mulher pra cama, é cobrar caro o que ele considera humilhação, a insuportável submissão à mulher até atingir seus objetivos.
    Tenho que concordar que a reação feminina acontece quando ela descobre que pode dizer o que pensa, e principalmente quando resolve se indignar com o tratamento que se recusa a receber. E se as mulheres reclamam por mudanças é porque também querem a diversão no sexo. Ah tá, o mundo feminino não está dividido entre as feministas chiitas, lésbicas e frígidas e as outras... Ele é composto por mulheres que falam o que acreditam e as outras que ainda criam coragem para expor o que pensam e sentem. Difícil chegar a um acordo? rsss

    Beijos meus

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rarará! Bem pensado, llManuh!
      Eu acho um absurdo que o cara faça aquela melecada no lindo rostinho da moça e depois fique com nojinho de chegar perto. Isso acontece por duas razões: Primeiro o medo do cara virar gay! rss) Segundo que após o orgasmo, o homem dá aquela broxada feia e fica meio sem interesse pela coisa. Mas, pra mim, homem que tem nojo do próprio sêmen deveria rever seus conceitos. Como pode submeter a parceira a algo que até ele mesmo tem nojo? Só se a dona for tarada pela coisa mesmo! rs)

      Mas bah, fala sério guria, se agradar uma mulher antes de levá-la para cama é humilhação e submissão para um homem, acho melhor ele mudar de vez para o lado rosa da força! rss) Homem que é homem (no bom sentido), sente-se feliz em proporcionar prazer e alegria a uma mulher. Não acho nenhum martírio participar da fantasia de quem a gente gosta - exceto se for algo particularmente repulsivo. Aí os limites de cada um devem ser respeitados.

      Quanto à divisão feminina, ela se faz necessária para evitar generalizações. As mulheres só tem em comum o fato de terem uma xoxota, mas cada uma é um ser independente com ideias e sentimentos únicos.
      E as mulheres precisam mesmo protestar quando querem algo, pois isso é um ato de bravura e força digno de respeito e que, pasmem, está mudando o mundo para melhor. O problema é quando vemos exageros que não levam a nada, só a mais rupturas.

      Vixe, viajei na maionese! O tema era pornografia e eu aqui divagando.

      Beijos.

      Excluir
    2. Acho que nesses quatro anos conheço um pouco do seu espírito provocativo e sei bem o quanto te divertem esses questionamentos. Sorte de uma mulher que tem a chance de (pegar! ahahahahaha) se envolver com o "novo homem", o que questiona valores tão arraigados qua parecem verdades absolutas.
      Viajou não, essa discussão sobre pornografia tem também os detalhes que importam às mulheres, o prazer, o respeito e o direito de ir até onde é bom pra todo mundo.
      Bjos

      Excluir
    3. Pois é, um pouquinho de ceticismo e de dúvida não faz mal para ninguém, né? rss
      Vou ter que controlar minhas palavras aqui para não ficar tão verborrágico.

      Inté.

      Excluir
  2. Cada homem e mulher tem uma história de vida, uma forma de ver a relação entre homens e mulheres.

    Quanto mais sadia - penso - menos rancor.

    Prefiro não ver todas as mulheres como uma só pessoa, perdida no passado, a quem devotaria toda mágoa de uma relação abusiva. Será por isso que me chamam de otimista?

    Não cobro da parceira meu próprio gozo, como não minto lhe prometendo orgasmos múltiplos. Deixo isso para os pequenos, os ainda infantis, parados no tempo talvez.

    Como dizia Drummond:

    "O mundo é grande e cabe
    na cama e no colchão de amar."

    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sabe, eudyrj, quanto mais eu leio as suas opiniões, mas convicção eu tenho de que ainda tenho muito por aprender na vida.

      Obrigado, abraço.

      Excluir
  3. Wellington,

    Lembrei agora de uma historinha que ilustra bem o feminismo de certas feministas (das que gostam da fruta, bem entendido):

    A menina vai sair pela primeira vez com o namorado. A mãe a chama de lado pra lhe dar conselhos:

    - Minha filha, em algum momento ele vai parar o carro, vai te beijar; vai querer ter a mão na coisa, vai querer ter a coisa na mão; isso tudo voce deixa, mas se ele quiser vir pra cima de voce não deixe, porque ele vai arrasar a sua honra, a honra de seu pai e de toda sua família...

    A menina vai. Quando voltou, foi correndo relatar pra mãe:

    - Mamãe, foi assim mesmo como a senhora falou: Ele parou o carro, teve a mão na coisa, teve a coisa na mão, aí quando ele veio pra cima de mim eu me virei rápido por cima e arrasei com a honra dele, do pai e de toda família dele...

    kkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. kkkkkkkkkkkkk

      Não morre cedo...rss

      Excluir
    3. Rarará!
      Sabe, camarada, eu estou com uma dificuldade imensa de saber se essa piada é machista ou é feminista. rss

      Valeu!

      Excluir
  4. eu estou lendo seus artigos sobre a pornografia e devo dizer que comete muitas generalizações e lacunas. os povos antigos tinham imagens de mulheres nuas por inúmeros outros fatores. sem esquecer que na antiguidade existia os hierodulos, templos onde sacerdotisas transavam por dinheiro. isso tem apenas simbolicamente uma semelhança com a pornografia. como o sr mesmo diz, ela e feita por um interesse comercial, todo aquele sentido de sagrado que existia na antiguidade se perdeu com a imposição do Cristianismo. o porno parece com o paradoxo tostines. vende porque degrada a mulher ou a liberta? afinal, nos estamos falando e discutindo sobre sexo exatamente porque a pornografia nos lembrou de algo que o Cristianismo negou por tantos séculos: nos somos seres com corpo, desejo, prazer. nos procuramos pela pornografia e pela prostituição exatamente porque nos ainda vivemos em uma sociedade cheia de repressão, recalque e frustração. quando e se nos tivermos coragem de olhar de frente nossas pulsacoes e libidos, quando e se começarmos a ser mais honestos conosco mesmos... talvez a necessidade de pornografia e prostituicao sera tao desnecessária quanto ter escravos ou existir a escravidão. desculpe pela bagunca, teclado sem ABNT.

    ResponderExcluir