quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Patrulha sexual feminista


Já cansei de repetir neste blog que sou absolutamente favorável ao feminismo, o problema é que existem algumas feministas que extrapolam na dose e passam a querer controlar tudo, inclusive as outras mulheres. Nesta postagem, eu pretendo criticar alguns elementos do feminismo que não parecem estar de acordo com a luta das mulheres por seus direitos. Uma coisa é lutar por direitos iguais, outra coisa é forçar algo como sendo machista apenas por esse algo te causar algum desgosto pessoal.
Como também já cansei de repetir, o machismo é uma merda e quem duvidar disso, por favor, leia a minha postagem intitulada O mito do sexo frágil.
Agora vou apontar os elementos em que eu discordo do discurso feminista.


Controle sobre as outras mulheres
Já vi várias postagens femininas nas redes sociais criticando as mulheres pelo tipo de roupa que elas usam. Quando aparece uma mulher usando pouca roupa, saem comentários do tipo: "Maldita sociedade machista! Obrigam as mulheres a usar essas roupas de vadias apenas para tratá-las como objetos!". Quando aparece uma mulher com muita roupa, o discurso não muda: "Maldita sociedade machista! Obrigam as mulheres a usar essas roupas para reprimir a sua sexualidade e o seu corpo!". E assim é imposta uma "ditadura do mais ou menos", onde nenhuma mulher pode se vestir de forma diferente do que as feministas julgam ser o correto. Isso nada mais é que substituir um opressor machista por uma opressora feminista. As mulheres precisam ser livres para usarem a roupa que elas quiserem sem receber rótulos.

A prostituição infantil, sim, deve ser combatida

Criminalização da prostituição
Se tem uma coisa que me irrita é essa luta obstinada de algumas feministas pela extinção da prostituição. Eu quero deixar bem claro que sou radicalmente contra a prostituição infantil e contra a prostituição como sendo o único meio de sobrevivência para as mulheres. Todas as mulheres precisam ter escolhas profissionais e a prostituição deve ser a última delas. Eu sou contra a criminalização da prostituição pelo simples fato de ninguém ter o direito de dizer o que cada um pode ou não fazer com o seu próprio corpo. A prostituição é um comércio: sexo fácil em troca de dinheiro. Paga quem quer e se prostitui quem quer.


Censura a comerciais
O fato de uma empresa fazer uma propaganda estúpida não é motivo para censura, afinal, ela está prestando um desserviço a ela mesma. Concordo que existem comerciais de mau gosto, mas às vezes não passa de pura paranoia feminista. Três exemplos clássicos disso são as propagandas do desodorante Axe, da cerveja Nova Schin e, surpresa: até aquela da Hope com a Gisele Bündchen. Por favor, assista a esses comerciais abaixo para entender a minha crítica na sequência:




Para quem não sabe, a publicidade cria comerciais para públicos-alvo específicos. No caso da cerveja e do desodorante masculino, o público alvo são homens. Para esses homens, esses comerciais são iscas para atrair a sua atenção. Dos comerciais acima, o da Hope, por exemplo, mostra o homem como objeto de manipulação das mulheres e não o contrário. O homem é um tolo que cai de quatro com o poder da sedução feminina. Em vez de virar o macho doido de raiva com o cartão de crédito estourado, o carro batido e a vinda da sogra, o marido invisível se submete, dócil, ao charme de sua mulher. E o da Nova Schin é uma piada, primeiro porque homens invisíveis não existem! Além disso, aquilo se passava na imaginação dos rapazes e o personagem do comercial que teve essa ideia ainda se dá mal no final da propaganda. Por que será que as feministas não censuram também os dois comerciais abaixo:



Se não gostou do comercial, boicote os produtos ou fale mal deles para os amigos; agora censurar, isso, para mim, é inadmissível. Tanta coisa séria acontecendo nesse país e vem um bando de desocupadas querer censurar comercial de cerveja. Onde é que fica a liberdade de expressão pela qual tantos lutaram e morreram neste país?
E vou deixar um bônus para as feministas no comercial abaixo:


Existe um machismo subliminar neste comercial 'feminista' da Bombril (este logo acima), pois aqui reforça-se a ideia de que os homens não tem competência para cuidar da casa (são um bando de homens das cavernas), logo, apenas as mulheres podem fazer isso. É um machismo nas entrelinhas que reafirma os antigos papéis sociais entre homens e mulheres (mulheres cuidam da casa enquanto os homens caem na gandaia).
A própria roupa que as atrizes usam nesses comerciais é uma alusão à vestimenta masculina, como se uma mulher precisasse se masculinizar para ser tornar melhor (ou igual aos homens). E pensar que muitas mulheres acreditaram que esse comercial mostrava a supremacia feminina. Doce ilusão...

Por que só os homens podem levar tapas na bunda?

Humilhação no sexo
Eu não queria me estender nesse aspecto, mas o que eu imagino aqui são mulheres frustradas que querem proibir tudo, mas que no fundo morrem de inveja das 'Marocas' da vida. Para quem não conhece, a Maroca foi uma ex-participante do BBB que causou um alvoroço danado naquela conversa sobre o "engole ou cospe" (link para esse vídeo aqui). Outro exemplo clássico é o do Papo Calcinha do canal Multishow, onde a mulherada desmente o que muitas feministas consideram ser "humilhante" com relação ao sexo.
Ainda sobre essa história do nojo do contato com o sêmen, se o esperma é um "dejeto" que pode ser comparado a fezes, então a feminista que criou esse nobre conceito também veio das fezes. Ou será que ela faltou alguma aula de biologia básica?
E como disse uma amiga minha certa vez: o que rola entre quatro paredes, fica entre quatro paredes. Lavou, tá novo!
O engraçado é que as feministas nem se atrevem a criticar a "humilhação" vista no mundo BDSM. Por que será?

(pausa para reflexão...)

O único ponto em que eu concordo com as feministas é com relação a atitude machista de alguns homens que pensam que as mulheres são atrizes pornôs. Nesse aspecto, eu já construí a minha crítica no post Sexo se Aprende Onde?
Agora, continuando a crítica, eu tenho a nítida sensação que essas feministas de araque (pseudo feministas) querem a volta daquela época onde existiam as mulheres para casar (as moças de família) e as mulheres para transar (as meretrizes). Se querem ser tratadas como santas, que casem com algum evangélico fanático ou com um homem quadrado que tenha os valores sociais de 1950. E se você não gosta de um sexo mais intenso, então esqueça a ideia de gostar de homens heterossexuais. Enquanto essas recalcadas continuarem com esse discurso paranoico de que o sexo do jeito que os homens gostam é machista, mulheres como a Maroca e a turma do Papo Calcinha estão experimentando todos os prazeres do sexo livre de tabus.

Sonho das feministas radicais

Combate à pornografia
Antes de argumentar sobre esse ponto, é preciso considerar os seguintes aspectos sobre a pornografia:
1º) Os filmes pornôs são FILMES! Assim como o filme do Superman também é um filme. Aquilo ali é ficção, mentira, fantasia, faz de conta.
2º) A pornografia voltada para o público masculino é um tipo de prostituição, pois aqui há a troca de sexo por dinheiro. O fato das atrizes não sentirem prazer ocorre pela mesma razão que os clientes não se preocupam em satisfazer as prostitutas. Ficou difícil de entender ou quer que eu desenhe?
3º) Ninguém coloca uma arma na cabeça das mulheres obrigando-as a fazer filmes pornôs. Isso é uma livre escolha delas.
4º) As atrizes pornôs não estão "denegrindo" a imagem das mulheres, mas, sim, a si mesmas. O que denigre a sua imagem são as coisas que você mesma faz, e não o que pessoas parecidas com você fazem.
5º) Quem condena apenas o pornô hétero é um heterofóbico - e não uma feminista.
6º) Se alguma mulher gosta de ser submissa, levar tapinhas, ser xingada ou levar puxões de cabelo: isso é problema dela.
7º) Se não gosta, não assista.
Para mais conclusões a respeito da pornografia, recomendo que leiam o meu post sobre esse tema neste link aqui e o adendo do mesmo neste outro.
Como as feministas veem a pornografia

Honestamente, eu acredito que muitas mulheres que condenam a pornografia pelos motivos que citei acima sofrem de complexo de culpa e da velha síndrome do patinho feio. Coisa semelhante ocorreu quando alguns grupos de afrodescendentes quiseram censurar os livros de Monteiro Lobato por serem considerados "racistas". Aí eu pergunto: por que essas feministas não vão censurar a Bíblia com os seus incalculáveis versículos machistas onde defendem a submissão e a inferioridade feminina? Se duvida do machismo bíblico, recomendo que leia essa minha postagem aqui.
O problema não é uma submissão consentida durante os momentos íntimos, mas sim a submissão social contra a vontade das mulheres.

E para as mulheres menos informadas: já existe o filme pornô direcionado para o público feminino. Será que o sexo é algo tão horrível para as feministas que até o pornô feito para elas também será alvo de censura?
Para quem está duvidando que o pornô feminino exista, vou deixar três links da revista Época que tratam desse assunto:
Pornô feito por mulheres e para mulheres
Petra Joy: "Estamos lutando por liberdade sexual"
Candida Royalle: "Quero que os homens assistam"

Por que as feministas não lutam contra o tráfico humano e a escravidão de mulheres?

Coisas que as feministas deveriam defender
Enquanto essas feministas bitoladas querem censurar e proibir tudo que não as convém, mulheres estão sendo espancadas, estupradas, perseguidas, excluídas, sofrendo assédio sexual e moral, morrendo nas filas dos hospitais... Sem falar nas que são abandonadas pelo companheiro quando engravidam, são expulsas de casa e ainda são presas após fazerem um aborto clandestino. Parece que esse tipo de coisa essas feministas não têm muito interesse em defender. E onde estão as feministas que deveriam brigar pelos direitos dessas mulheres? Ah, claro, censurando as cenas da novela Gabriela...

Agora, se depois de ler tudo isso a sua reação for esta:

Então vai arrumar uma pia cheia de pratos para lavar! Rarará!


Abaixo a ditadura feminista!

0 comentários:

Postar um comentário