quinta-feira, 8 de maio de 2014

Funk é cultura, sim!


Tem muita gente por aí que por ignorância ou por preconceito acha que música funk não presta, que é música de pobre, música de "preto", música de favelado e outros absurdos mais. Para o antropólogo britânico Edward Burnett Tylor, cultura é: “todo aquele complexo que inclui o conhecimento, as crenças, a arte, a moral, a lei, os costumes e todos os outros hábitos e capacidades adquiridos pelo homem como membro da sociedade”. Segundo este conceito, arte é cultura. E todos sabem que música é arte. Se funk é música, logo, é arte e, consequentemente, é uma forma de manifestação cultural. Portanto, qualquer funk – seja o funk americano dos anos 60 (o do soul, jazz e rhythm and blues) ou o funk carioca – é cultura! Você pode até não gostar, mas o funk é tão relevante culturalmente quanto uma sinfonia de Beethoven ou uma canção erudita cantada em latim.
A questão toda é que o funk é uma cultura de massa que está ligada sobretudo às classes menos favorecidas economicamente. Dizer que o funk não é cultura é uma forma de marginalizar ainda mais aqueles grupos que vivem à margem da sociedade e que encontraram neste estilo uma forma de expressão. E se engana também quem acha que o funk nacional é apenas uma manifestação cultural das classes mais baixas, porque ele também é muito dançado pela classe média. Até as novelas globais têm colocados suas personagens para dançar nos bailes. Gente de todos os tipos gosta de funk.

O que mancha a imagem do funk é a violência e a promiscuidade ligada aos seus bailes na periferia, muitas vezes financiados por traficantes. Tirando as canções obscenas e as que fazem apologia à violência ou ao uso de drogas, o funk é um estilo que faz parte da cultura e do cenário musical do país e negar isso é uma forma gritante de ignorância.

A seguir vou deixar algumas canções de funk que eu curtia bastante quando era mais jovem e que mostram que o estilo tem muita coisa boa:





E para os mal humorados e pseudo intelectuais que dizem que funk não tem conteúdo, toma essas duas aí:



21 comentários:

  1. Belas palavras, cultura não importa se você ache que é boa ou ruim, se o povo usufrui, é cultura e fim de história.

    ResponderExcluir
  2. Boa kkkk gostei do seu argumento mas o funk nao pode ser considerado cultura e eu vou explicar o porque. Primeiro porque nem musica ele pode ser considerado. A musica tem que ter harmonia, melodia e ritmo. O funk nao tem harmonia, nem melodia, so ritmo logo nao tem todos os elementos pra ser considerado musica. O funk nao tem identidade nem nome proprio, pegou o nome "emprestado". A cultura tem que ser algo que traga prestigio ao segmento do qual faz parte coisa que o funk nao faz porque ele denigre a imagem nao so da periferia mas tambem da sociedade como um todo. Denigre a mulher ( colocando-a como um objeto sexual), o homem ( como uma arma pra impor o machismo) e alem disso faz apologia a pedofilia ( vide o termo novinha, sempre exaltando a sexualidade precoce da mesma) . E muito cuidado com esse negocio de "expressao" . Nem toda expressao pode ser considerada cultura, tem que se adequar aos termos ja pre definidos, termos em que o funk nao se enquadra pelos motivos ja citados acima. A semantica da palavra cultura nao pode ser mudada afim de que qualquer porcaria seja considerada como tal, porque se for assim qualquer ato pode ser considerado como uma. A cultura tem que se adequar aos valores morais pre estabelecidos dentro de uma sociedade tais como honestidade, decencia e hombridade. E para concluir, que possa ser considerado cultura nao pode contribuir para aumentar as mazelas da sociedade portanto, digam o que quiserem para defende-lo mas eu digo, o funk nao pode ser considerado cultura!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você se sentiria chocado(a) se eu te dissesse que qualquer porcaria produzida por seres humanos para o uso coletivo é considerada cultura? Se não, fique sabendo que, para sociologia, qualquer tipo de música é cultura - seja ela feia, imoral, de pobre, de preto, de favelado e que não caiu totalmente no gosto das camadas mais abastadas da sociedade. Funk é cultura de periferia, cultura de massa - mas é cultura sim, queiramos ou não.
      Daqui a uns 10 mil anos, os arqueólogos do futuro certamente irão se maravilhar com a grandeza musical da nossa época: seja música erudita ou funk carioca. Somos privilegiados, brother!

      Namastê!

      Excluir
    2. Concordo plenamente com você,o funk era cultura a 30 anos atrás..hoje,faz apologia ao estrupo,retrata a mulher como objeto e a pedofilia.isso nunca vai ser cultura,mesmo algumas pessoas pensando

      Excluir
    3. Anôn de 3 abril, cultura não é apenas o que consideramos pessoalmente como sendo "bom" ou "correto". Antigas tribos brasileiras praticavam canibalismo e sacrificavam bebês que nasciam com deficiências físicas congênitas. Tais atitudes, apesar de horrendas aos nossos olhos, faziam parte da CULTURA deles.
      Com o funk nacional não é diferente. Goste ou não, é parte da nossa cultura.

      Excluir
  3. Eu sei que como todos os estilos musicais, existem "músicas" e "bostas". Eu só quero é ser feliz, realmente, é uma música (então é cultura). Mas você falar que Anitta, Bonde das Maravilhas e MC Guimê é cultura... Meu amigo, não é cultura e não acredito até hoje que seja classificado como "música".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma música não deixa de ser música só porque a gente não curte. E toda música é cultura. Até aquela poluição sonora das músicas horrorosas do "compositor" Paulo Faísca são cultura.

      Excluir
  4. Funk é cultura o caramba. É um lixo. Ou melhor, pior que lixo, pq lixo pode ser reciclado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ok, então me mostre algum artigo revisado por pares que comprove que o funk não é cultura. Infelizmente, o ódio de classe, o elitismo, o moralismo e o racismo se misturam no julgamento arbitrário que muitos fazem sobre o funk.

      Excluir
  5. Ótimo texto! As pessoas precisam parar de julgar umas às outras por causa dos gostos musicais e começar a respeitar as diferenças. Ontem me surpreendi pela tamanha ignorância da sociedade, muitos foram os que criticaram a abertura das Olimpíadas simplesmente porque apareceram cantores de funk e dançarinos/dançarinas... Qual o problema em mostrar um pouco da nossa cultura, do que acontece no dia-a-dia de muitos brasileiros e brasileiras? Repetindo: Um texto realmente bom!
    Recomendo: https://arthurlacerda.wordpress.com/2014/01/25/nudez-e-vergonha-do-corpo/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade. O brasileiro, de um modo geral, é muito intolerante com relação ao que não gosta. É ridículo e infantil vir com essa história de dizer que "funk não é música" ou que "funk não é cultura". O funk carioca faz parte da cultura e da história musical brasileira. Precisa ser respeitado como todos os outros estilos.
      Obrigado pelos adjetivos. Abraço.

      PS: também escrevi um post tratando da nudez.

      Excluir
  6. Digamos que seja realmente cultura.
    Cultura não quer dizer que é algo que presta,algo,bom ,algo bonito
    É uma questão de analisar,para gostar de algo , não influencia na opinião as pessoas que não gosta do funk normalmente não crítica a "música "em si mas sim o ambiente que ela constrói.
    Análise qual é a qualidade de influência dele sobre seu ouvintes,como quem ouve pensa,como agem diante da realidade da vida,motivacoes para oque ele os leva.
    Até o ano de 95 funk era "música"mas hoje kkkk.
    Cultura constrói pessoas ,que tipo de pessoa o funk constrói.
    (Não genarilando nem funkeiros nem ouvintes).
    Não gosto de funk não é pelo fato de ser música ou não de ser cultura ou não.Nao gosto de funk por causa do tipo de formação social.
    Sociologia deixa bem claro que liberdade não é ausência de regras,e educação.


    Cultura no dicionário:
    Conjunto dos conhecimentos adquiridos; instrução: sujeito sem cultura.

    Conjunto dos hábitos sociais e religiosos, das manifestações intelectuais e artísticas, que caracteriza uma sociedade: cultura inca; a cultura helenística.

    Normas de comportamento, saberes, hábitos ou crenças que diferenciam um grupo de outro: provêm de culturas distintas.

    Expressão ou estágio evolutivo das tradições e valores de uma região, num período determinado: cultura católica.

    Aplicação do espírito a uma coisa: a cultura das ciências.

    Desenvolvimento das faculdades naturais: a cultura do espírito.

    Apuro, expressão de elegância: a cultura do estilo.

    Desenvolvimento de certas espécies microbianas: caldo de cultura.

    Arte de utilizar certas produções naturais: cultura do algodão.

    ResponderExcluir
  7. A sim um pré conceito sobre o funk sim.
    Para entender precisamos saber oque é preconceito.
    Conceito formado antes de entender,o mesmo preconceito que a com políticas,religiões,vícios etc...
    A o mesmo preconceito dos adeptos do seguimento e se atentar para a realidade dos comentários contrários ao funk normalmente ouço comentários na maioria das vezes sobre o conteúdo da suposta cultura dificilmente são pela tal Musicalidade .
    Som alto em casas ou celulares dos adeptos , educação transmitida pelos adeptos ao serem questionados sobre o mesmo,conteudo moral que os adeptos obrigam seus vizinhos e círculo social tem que ouvir.

    Sempre que criticamos o funk,vem esse mimimi de preconceito musical , financeiro ,regional.

    Acabaremos com preconceito quando mostramos que somos capazes iguais a outros.Coisa que o funk não está fazendo.
    A cada dia que passa está provando que vale apena mais repudialo do que aderilo porque o segmento não dá o respeito que quer receber.

    Seus adapitos em sua maioria quer enfiar goela abaixo suas opiniões , através de som e altos e etc...

    Antes de analisar as consequências eles dizem que somos precontuosos mas na verdade a maioria das opiniões contrárias ao funk não são fundamentadas por um conceito antes da hora,mais sim pela maneira que tal tem causado em famílias ,lugares e por aí vai.
    A verdade é que o funk está ferindo o princípio moral da sociedade,e por estarem feridos estão gritando de dores,e como grande parte de nossos médicos no país os adeptos do funk estão levantando um suposto diagnóstico de preconceito fundamentado no seu preconceito e não analisando a realidade.

    Muitos declaram ser contra Calypso nem por isso ,o evitam ou repudiam como o funk.
    O funk só está colhendo oque planta falta de respeito .
    Todos somos livres para seguir ou não regras morais , sociais ou não .Mas não seguila terá suas consequências

    ResponderExcluir
  8. "Você pode até não gostar, mas o funk é tão relevante culturalmente quanto uma sinfonia de Beethoven ou uma canção erudita cantada em latim."

    Ideias Embalsamadas,você comeu bosta quando era criança ou foi o Manifesto Comunista que te deixou retardado?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não existe cultura superior, quem acreditava em cultura superior era um cara chamado Adolf Hitler. Toda cultura é igualmente relevante para a história humana, goste você dela ou não.

      Excluir
    2. Eu prefiro o Fascismo ao Funk. Não pelo som em si, mas porque os ouvintes de funk fazem questão de colocar o som ALTO e IMPOR sua música a todos num raio de kilômetros, inclusive àqueles dentro de seus lares que escolheram ficar em silêncio. Por que as pessoas fazem isso, passar de carro com som no volume máximo com Funk, durante a noite, pela frente de lares para idosos e hospitais? Porque são pobres recalcados que nunca tiveram amor.

      Excluir
  9. "Se funk é música, logo, é arte e, consequentemente, é uma forma de manifestação cultural." Premissa errada, conclusão errada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas olha só quem fala...
      Comentário errado, com ilações erradas, com pressupostos errados, com raciocínio errado, com conclusões erradas e querendo bancar o sabichão.
      Já ouviu falar em antropologia, santa?

      Não acredito que você seja tão burro assim.

      Excluir
  10. Ontem passou mais um carro na minha rua, durante a noite as 2 da manhã de uma quinta-feira, com som alto acordando toda uma rua. Isto não pode continuar assim, compreendido? Só funkeiro faz isso: explique o fenômeno, por favor.

    ResponderExcluir
  11. Funk é cultura, sim, lixo cultural.

    ResponderExcluir