quinta-feira, 21 de julho de 2016

Não existe escola marxista doutrinadora no Brasil

É assim que é uma escola brasileira na cabeça dos reacionários

No post passado, dei a minha opinião com relação a essa ideia estapafúrdia da "escola sem partido" proposta pela bancada evangélica, macarthista e reacionária. Eu já disse muita coisa por lá, mas faltaram alguns complementos diante da teimosia da direita tacanha que insiste em denunciar que há uma "doutrinação esquerdista" nas escolas.
Pois bem, não há "escolas com partido" para que exista uma lei para proibi-las de ter o que elas já não têm. Os reaças estão querendo que esse projeto de lei da "escola sem partido" seja aprovado porque na cabeça deles as escolas brasileiras são antros de comunistas que fazem uma doutrinação marxista sistemática – fato este que é uma mentira completamente deslavada e paranoica. Marx NÃO é abordado no ensino fundamental ou médio como sendo um "gênio da política que vai salvar o Brasil". Marx é citado apenas como um pensador notável da sua época, assim como também ocorre com Nietzsche, Platão, Aristóteles, Sócrates, Pascal, Epicuro, Kant, Rousseau, Hobbes, Maquiavel, Descartes e até Freud. O fato de um filósofo ter a sua obra e o seu pensamento estudados não significa que o ponto de vista desse pensador está necessariamente certo: significa apenas que ele deu uma contribuição importante para as ciências humanas e para a filosofia. E todos esses pensadores estudados passaram pelo consenso das academias de ciências econômicas, de filosofia, de história e de pedagogia antes de serem vistos nas escolas. Daí que vem um "filósofo" que parou de estudar na quarta série – se achando mais sábio que toda uma academia formada por mestres, doutores e catedráticos – para dizer que todos eles estão errados. O MEC só repassa para as escolas aquilo que é amplamente aprovado, revisado e contestado dentro das academias de ciências sociais ou naturais. Isso inclui também a abordagem da metodologia de ensino. Dar aulas sobre o nazismo, por exemplo, não significa que esteja havendo doutrinação nazista. Assim como dar aulas sobre marxismo também não significa que esteja havendo doutrinação marxista. Os reaças se esquecem que uma abordagem histórica e filosófica de certos autores não tem nada a ver com doutrinação.

Marx é tão importante que já virou até personagem de videogame

Essas pessoas que são a favor dessa tal escola sem partido não sabem nem o que estão tentando combater. Ou são massa de manobra ou são mal intencionados. Querem colocar a Escola Austríaca e a Escola de Chicago à força na grade curricular para combater o marxismo, como se Marx fosse estudado e esmiuçado em sala de aula. Marx mal é citado em sala de aula. Se alguém duvida, pergunte a qualquer aluno do ensino médio quem foi Marx, quais eram os pilares que ele queria derrubar e o que ele propunha em suas obras e veja o que os estudantes respondem. Isso porque Marx é um pensador que deveria, sim, ser tão conhecido quanto todos os outros. Já o neoliberalismo de Friedman, Hayek e Mises não é uma corrente ideológica levada a sério nas academias de ciências econômicas ou sociais. Reclamar que esses autores neoliberais não são estudados em sala de aula é uma prova irrefutável de inocência e desconhecimento sobre o processo pedagógico. Se quer autores neoliberais nas escolas, entre para uma academia e escreva a sua tese para que ela seja contestada, debatida e aprovada pelos catedráticos e acadêmicos. E depois disso, se sua tese for realmente aceita, poderá ser dada nas salas de aula.

Olha quem está a favor da escola sem partido

Concordo que nem tudo que está escrito no projeto de lei da escola sem partido é estúpido. Há um ou outro aspecto aqui e acolá que eu concordo. Mas o projeto de um modo geral é mal intencionado, reacionário, controverso e partidário. Como já citei, ele é fruto de uma visão reacionária distorcida da realidade. Só porque existem ALGUNS professores que são partidários de ideias que você reprova, NÃO significa que todo um sistema de ensino está dominado por comunistas e ateus comedores de criancinhas querendo fazer lavagem cerebral nos alunos. Além do mais, professor NÃO pode doutrinar em sala de aula, porque isso é antiético. O professor tem que expor o conteúdo programático da escola ou do MEC sem impor seu ponto de vista, que é o que a grande maioria dos professores já fazem. Não é preciso uma lei para fazer valer algo que já existe. O que precisa ser feito é preparar melhor os professores para que alguns deles não queiram forçar os alunos a pensarem igual a eles.
A visão "democrática" de ensino que a direita quer impor é a da alienação, do cristianismo e do fascismo através de imposições ilegais disfarçadas de projetos democráticos. Essa lei é cheia de armadilhas: um verdadeiro cavalo de troia contra o sistema de ensino.
E pelamordedeus: parem com essa diarreia mental de dizer que a escola cria comunistas. Todos os comunistas que eu conheci na vida tornaram-se de esquerda estudando por fora da escola. É o conjunto de vivências e estudos que você tem na vida que constrói a sua visão política e ideológica. A sua orientação política não tem como ser fabricada por um professor. E mesmo que a escola quisesse, não seria capaz de transformar seus alunos em comunistas. O papel da escola é formar cidadãos conscientes, que pensam, que respeitam uns aos outros, que tenham curiosidade pelo saber, que tenham sede por conhecimento e que tenham um ponto de vista crítico da realidade. A escola tem a função de integração social e não de formar zumbis.

Malditos professores comunistas!

Enfim, pra mim chega desse assunto.

2 comentários:

  1. Faz um post falando sobre o armamentismo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Escrevi um post há pouco tempo falando de forma mais resumida sobre este assunto. Pretendo escrever futuramente sobre corrida armamentista internacional, indústria bélica e como o terrorismo alimenta essas indústrias.

      Excluir