sexta-feira, 25 de março de 2016

O Golpe é ruim para a democracia, para o país e para os trabalhadores


Qualquer pessoa que não seja pueril politicamente falando sabe muito bem do que se trata esta tentativa de impichar a presidenta Dilma Rousseff. Este impeachment não corresponde aos critérios jurídicos para ser considerado constitucional. A Lei de Responsabilidade Fiscal não prevê a exoneração do chefe de Estado que realiza as tais "pedaladas fiscais". Há outros indícios graves que poderiam até ser usados para abrir um processo de impeachment contra a presidenta, mas, definitivamente, pedaladas é que não são um desses indícios. Quem defende este impeachment – seja por ingenuidade ou má fé – não está respeitando a Constituição Federal. Ainda que exista margem para interpretações divergentes devido ao julgamento do TCU, não se pode atribuir crime a uma ação que não esteja previamente descrita na Constituição como tal. O poder judiciário não está aí para inventar leis. O poder judiciário é o guardião da Constituição. Interpretações arbitrárias que distorcem as leis não podem ser consideradas como um ato idôneo.
Dito isso, é preciso entender que por trás desse teatro do impeachment há uma oposição pérfida, oportunista e patrocinada por grupos empresariais absolutamente inescrupulosos. São esses grupos que defendem a terceirização, a "flexibilização" das leis trabalhistas, as privatizações, o congelamento dos salários dos servidores por vários anos, o enfraquecimento da Lava Jato, a ampliação do número de Ministros do STF (como ocorreu na ditadura), a alteração nas funções do MPF e PF, o fim da participação dos estrangeiros no programa Mais Médicos, a venda do Pré-Sal e, claro, a cereja do bolo: o retorno do financiamento privado das campanhas eleitorais. Sobre este último item, vou deixar um vídeo didático que explica como o financiamento privado de campanha eleitoral com valores ilimitados prejudica o país e favorece a corrupção.

video


O que essa oposição canalha, covarde e antidemocrática quer é chegar ao poder sem passar pelas eleições. Esse Golpe que a mídia vem arquitetando junto com os juristas partidários, com a direita, com a oposição carniceira e com o MPF é para impor a agenda deles à força. Eles sabem que com suas propostas elitistas e neoliberais jamais receberão o voto da grande massa. É preciso ir para as ruas para defender a democracia e os 54,5 milhões de votos dados a Dilma Rousseff. O Golpe é ruim para a democracia, ruim para o país e ruim para os trabalhadores.

Para terminar, um vídeo muito bom para abrir a mente:



Não há escolha a não ser ir para as ruas.

0 comentários:

Postar um comentário